14.3.08

Saudade & Pão de Deus



Não há coisa mais portuguesa que a saudade. Que o digam os fadistas que cantam há décadas isto de ser português! Tanto é, que a palavra saudade não tem tradução imediata na maioria das línguas e sentir a falta de algo não é, convenhamos, o mesmo de sentir saudade ou saudades. Há qualquer coisa de intangível e inatingível que escapa a quem não nasceu e cresceu com a nostalgia dos bons velhos tempos encrustada nos ossos. É como comer um pastel de nata e provar um pastel de Belém: a receita não difere muito, parecem iguais e tendem a ser confundidos. Quem comeu um pastel de Belém sabe que não podem ser comparados.

De facto, a pastelaria semi industrial portuguesa representa também o espírito português e tem uma forte tradição no nosso país. O projecto Fabrico Próprio enumera os bolos de Portugal: Pastel de Nata, Palmier, Jesuíta, Alsaciano, Bolo de Arroz, Parra, Mil Folhas, Queque, Travesseiro, Bom Bocado, Brisa, Esquimó, Pata de Veado, Orelha, Rim, Tíbia, Caracol, Bábá, Napoleão, Josefina, Bola de Berlim, Xadrez, Duchesse… Bolos em porções individuais, mais ou menos ricos ou mais ou menos sofisticados podem ser comidos um pouco por todo o lado, de cafés de rua a produzidos salões de chá. Todos os portugueses têm um bolo favorito. Qual é então o meu? Não sou grande apreciadora de bolos mas morro de amores por pão. O Pão de Deus fica entre os dois e é o meu preferido.




Pão de Deus


10-12 unidades

3 ovos grandes
3/4 chávena manteiga sem sal, à temperatura ambiente
1 1/4 chávenas leite, morno
1/2 chávena açucar
1 vagem baunilha, aberta ao meio, sementes separadas
sal
5 chávenas farinha tipo 55
1 colher chá fermento seco

cobertura para 6 (deixei os outros simples, para colocar coco em todos dobrar as quantidades)
1 chávena coco ralado
1/2 chávena açucar
1 ovo

1 ovo para pincelar
icing sugar para polvilhar

Numa tigela, usando os dedos, misturar as sementes da baunilha com o açucar total (da massa e da cobertura), juntar a vagem partida ao meio e reservar. No momento de utilizar o açucar retirar a vagem. (Em alternativa, misturar um pacote de açucar baunilhado, reduzindo a quantidade de açucar "normal")

Numa tigela maior, misturar a farinha, o fermento e o açucar. Fazer uma cova ao centro e colocar os ovos ligeiramente batidos com o sal. Com um garfo ou com as mãos, incorporar os ingredientes até a massa poder ser amassada - se a massa estiver demasiado húmida, juntar uma colher de farinha de cada vez até se tornar possível manejá-la. Aos poucos incorporar a manteiga e colocar a massa numa superfície enfarinhada. Amassar vigorosamente por 10 minutos ou até a massa se apresentar elástica e brilhante. Nesta fase, a massa continua leve mas deve agarrar menos às mãos. Colocar a massa numa tigela untada com manteiga, cobrir com película e deixar levedar num local quente e seco por 1 hora ou até duplicar o tamanho.

Entretanto, prepara-se a cobertura numa tigela, misturando o coco e o açucar com o ovo ligeiramente batido.

Divide-se a massa em 10 ou 12 partes. Com a palma das mãos, formam-se os bolos em forma de bola. Colocam-se sobre papel vegetal num tabuleiro, deixando espaço suficiente entre cada um para que possam duplicar de tamanho. Cobrir com um pano e deixar levedar por mais 30 minutos.

Pré-aquecer o forno a 180ºC.

Pincelar os bolos com o ovo batido e colocar uma colherada da mistura de coco sobre cada um. Levar ao forno por 20 minutos ou até estarem cozidos. Remover e deixar arrefecer sobre uma grelha. Polvilhar com icing sugar para servir.

19 comentários:

  1. Que bom aspecto! Vou fazer sem falta para a minha mãe que é doida por pão de Deus.

    ResponderEliminar
  2. Isso é a mesma coisa que uma arrufada?
    È que se for temos a mesma preferência.
    As fotos estão fantásticas, a plantinha no vaso é linda, e para rematar: vou fazer estes bolinhos!

    Beijocas e bom fim de semana

    ResponderEliminar
  3. Suzana querida.....sou amante de pastel de nata.....adoro mesmo. Nunca provei ái em portugal mas compro de uma boulangerie portuguesa aqui em Montreal. se os daqui já acho uma delícia imagina então os da terrinha.....tenho que ir urgentemente à Portugal.
    Agora esses pãezinhos estão um luxo só...... Bjcas.

    ResponderEliminar
  4. Ah....como sempre não poderia faltar meu elogio as fotos....perfeitas.
    Bjs.

    ResponderEliminar
  5. Fechei os olhos para imaginar a textura e sabor... infelizmente não consta da minha memória olfativa tãopouco gustativa.. então, a solução é experimentar!

    Adorei o texto, fotos e sugestão!Obrigada!

    Beijinhos,

    ResponderEliminar
  6. Como eu não vivo sem pão prefiro eles aos bolos, embora os aprecie bastante. O nome do pão combina muito com ele, relmente é de Deus.

    ResponderEliminar
  7. A minha escolha é essa mesmo...adoro com um bocado de manteiga e fiambre (com um galão, era o meu pequeno-almoço favorito, depoiis de uma noitada) ! Estou a salivar e com um desejo incontrolável de amanhã iniciar o meu dia com um Pão de Deus!

    ResponderEliminar
  8. Pelas lindas fotos posso comer com os olhos. Nao vou sossegar enquanto nao fizer esses paezinhos.
    Que prendada voce!
    beijos e feliz fim de semana

    ResponderEliminar
  9. e é caso pa dizer por Amor (ao pão) de Deus!!! ;) essa receita é demasiado pecadora... mas a gula sabe tão bem!

    Adorei... e as fotos lindas como sempre!


    beijinho

    ResponderEliminar
  10. Olá Suzana!
    Escrevo-te pois fiquei encantada com o teu blog, as fotos são óptimas, o texto e ainda a tua generosidade em partilhares as receitas com todos nós.
    Procurei o email e não encontrei, então resolvi enviar-te este comentário para te parabenizar pelo blog pois fiquei encantada, e também para te propor uma pequena parceria na divulgação dos links dos nossos blogs.
    O meu blog é http://www.titinhadosbolos.blogspot.com/
    Envia-me um email para titinhadosbolos@gmail.com para me autorizares a colucar o teu link nos meus sites amigos

    ResponderEliminar
  11. Suzana ficaram com tão bom aspecto, lindos mesmo!!!
    Adoro Pão de Deus, mal cozido então nem se fala... São óptimos para acompanhar com um belo galão, pelo menos é assim que eu gosto de os comer. Hummm agora fiquei cheia de vontade de comer unzinho...

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  12. Marizé, julgo que as arrufadas não levam a cobertura de coco, mas a massa é a mesma.

    Obrigada pelos queridos comentários. Ficaram mesmo muito bons. Aconselho vivamente a receita. ;)

    Bj

    ResponderEliminar
  13. suzana seu texto me conduziu as poucas lembranças que tenho dessa maravilha que é a pastelaria portuguesa, e memso assim me delicie...quanto a receita e as fotos: sublimes! bjs

    ResponderEliminar
  14. adorei o texto sobre saudades!!!maravilhoso..e amei êsse pão que não conhecia e achei divino!!!

    ResponderEliminar
  15. Suzana, tentei passar um email mas não tive sucesso...
    vim parabenizá-la pela indicação do 'Panelinha' como sendo um ótimo blog, que eu endosso! Parabéns!
    Beijinhos,

    ResponderEliminar
  16. Suzana, seu blog é lindo! Amei as fotos, amei as receitas... Estive em Portugal há 2 semanas, e me apaixonei pelo pão de Deus. Obrigada por compartilhar essa receita tão especial! Bjs

    ResponderEliminar
  17. De Susana para Susana
    O meu computador teve un probleminha conclusão teve que ser tudo apagado tudo mesmo,fotos,receitas bem conclusão ando agora desesperada a por tudo outar vez,ando a pôr os meus blogues nos favoritos e fui dar com o teu ADOREI as fotos, as receitas os textos,tudo isto para dizer que....
    a 9anos vim viver para Estremoz e para quem está habituada a ir as pastelarias e encontrar os paeszinhos de deus e come-los com uma manteiguinha e uma meia de leita cá nao são iguais aos da capital. Portanto adorei esta receitinha vou faze-la, os meus filhotes vão adorar.
    O teu blog já está nos favoritos, vou passar por cá sempre.
    Beijos

    ResponderEliminar
  18. Maravilhosos pães de deus, gostei muito .A minha filha é fã de pão de deus, aqui está uma receitinha que vou decerto fazer.Obrigado pela partilha.bjs

    ResponderEliminar

Obrigada pelo seu comentário!