8.4.11

Salteado de tofu, couve roxa e ervilhas tortas e um conversa sobre louras

Salteado de tofu, couve roxa e ervilhas tortas

Uma loura bonita não é inteligente. Não gosta de literatura. Não lê os clássicos. Não pode. A convicção popular é alimentada no mais íntimo de cada um a cada novo caso de uma cabeça amarela pela qual passa um túnel de vento ou a cada excepção que confirma a regra. De quando em vez lá aparece uma loura bonita que, pasme-se, é também inteligente. Que sabe escrever. Que tem coisas para dizer. Fios de cabelo dourados a encimar um cérebro funcional e uma carinha laroca. Se uma réstia de qualquer coisa que se assemelhe a justiça divina ainda resta, uma loura bonita e inteligente não sabe cozinhar. Não sabe fazer ovos florentinos. Não tem uma receita imbatível de bolo de chocolate. Não pode.

Uma longa noite de conversa envolta em gargalhadas. Tantas cabeças cheias de ideias, nenhuma delas loura. A minha amiga Carlota apresenta-me essa loura única, em forma de livro. Um livro bonito, daqueles que também se vêem com as mãos, passando os dedos devagarinho sobre as páginas coloridas. Como se as letras tivessem relevo e as fotografias se pudessem provar. Uma ex-modelo loira que fez cinema e agora escreve livros, de receitas e outros. Hão-de convir que o guião não indicia nada de bom. E eis que o insólito acontece. Uma ligação que se cria. Eu que tive uma fase loura que terminou aos dois anos e da qual apenas restam fotografias e um envelope de caracóis cor de palha, dou por mim a querer ver mais. Identifico-me com a escrita e gosto das receitas. Não largo o livro. Fico a pensar que isto de cabeça, cérebro e estômago tem muito que se lhe diga.

Salteado de tofu, couve roxa e ervilhas tortas

Esta receita vem do livro de Sophie Dahl, Miss Dahl's Voluptuous Delights e é uma breve incursão nas tendências da cozinha asiática, usando uma técnica de confecção, ingredientes e temperos que remetem para outras paragens.

A cozinha asiática tem tradição na confecção rápida de vegetais, numa "fritura" com pequenas quantidades de gordura que potenciam os sabores sem alterar muito a aparência e composição de cada um. A utilização de um wok é opcional e pode fazer-se algo semelhante usando uma comum frigideira antiaderente. O tofu, amado por uns, detestado por outros, é produzido a partir da soja. Como não tem muito sabor, deve ser temperado e condimentado funcionando como um bom veículo para muitos e diferentes sabores. É também uma boa fonte de proteínas para vegetarianos.

Salteado de tofu, couve roxa e ervilhas tortas



Salteado de tofu, couve roxa e ervilhas tortas
Adaptado livremente a partir de Sophie Dahl, Miss Dahl's Voluptuous Delights

Serve 2

1 colher (sopa) sementes de sésamo
2 colheres (sopa) óleo de sésamo
125 g tofu firme, em cubos
1 cebola média, em rodelas finas
½ couve-roxa pequena, picada
2 colheres (sopa) molho de soja
1 colher (chá) mirin (ou vinagre de sidra)
1 cenoura grande, ralada
½ batata doce assada, descascada e em fatias
8-10 ervilhas tortas
coentros frescos picados, para servir

Use um wok ou uma frigideira antiaderente e toste as sementes de sésamo (a seco) durante 1 minuto, mexendo a frigideira para não queimarem. Retire para um prato e reserve. Deixe a frigideira arrefecer ligeiramente. Deite uma colher de óleo e o tofu. Vá virando os cubos até estes estarem dourados. Retire e reserve. Junte o resto do óleo e a couve-roxa. Cozinhe por 8 minutos, salpicando com um pouco de água se necessário. Adicione a cebola e mexa. Junte o tofu e a cenoura e regue com um pouco de molho de soja e de mirin. Repita com a batata doce e as ervilhas tortas e o resto do molho de soja e mirin. Vá mexendo até estar cozinhado (3-5 minutos). Prove rectifique o sal se necessário. Polvilhe com os coentros e as sementes de sésamo. Envolva delicadamente e sirva de imediato.

15 comentários:

  1. Que chic!
    Apresentação magnífica.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  2. Sim, é verdade que esse preconceito existe e está bem enraízado. E eu que o diga.

    A miss Dahl já é minha conhecida á algum tempo e sou grande fã. Esta receita parece-me fantástica... e parece-me que acertaste em cheio... loira ou não ;)

    ResponderEliminar
  3. Se gostou do livro, entao devia ter visto os 6 programas da Miss Dahl que passaram na sic mulher. Absolutamente Encantadora.

    ResponderEliminar
  4. Olá Suzana,
    eu por acaso também gosto dessa loura ;) e adorei ver os programas dela. Em Londres estive com o livro dela na mão e, como dizes, era lindo.

    Um beijinho.

    ResponderEliminar
  5. O livro é mesmo isso tudo, lindo, mas confesso que os programas me desencantaram um bocadinho... Não gostei tanto dela como do livro.
    A tua receita tem só coisas que adoro: as ervilhas tortas, a couve roza, o tofu, tudo tão bom. :)
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  6. As loiras bonitas, inteligentes e que sabem cozinhar são como as bruxas, eu não acredito mas que as há, há :) É o meu tipo de refeição!

    ResponderEliminar
  7. Eu não sou amiga de Tofu, ou provávelmente nunca comi um que fosse bem confeccionado e confesso que não sou eu que o vou cozinhar algum dia, mas tenho que te agradecer a ti e à loira Dhal pela magnifica receita do imbatível bolo de chocolate, cuja receita imprimi e já está na minha cozinha :)
    Beijocas e bom fim de semana

    ResponderEliminar
  8. confesso que me inclino muito pouco para pratos vegetarianos, apesar de cozinhar com imensos legumes e grãos, praticamente nunca uso seitan ou tofu, mas um dia terei de quebrar a embirração. =)

    ResponderEliminar
  9. A loura Dhal, fascinou-me com os programas dela, e p famoso bolo de chocolate está gravado para fazer um destes dias.
    A receita que fizeste, ficou linda, mas nunca provei tofu, não sei se gosto ou não, pensava o mesmo da soja, experimentei, gostei e todos cá em casa gostam, tenho que fazer o mesmo com o tofu.

    O teu texto como sempre delicia-me e é uma pena as louras terem esse rótulo.

    Um beijinho grande

    ResponderEliminar
  10. Suzana, Este livro é uma grata surpresa e tudo de bom! Mas confesso o perconceito... se não tivesse estado com ele na mão, dificilmente o teria comprado ;)

    Beijinhos Grandes,
    Carlota

    ResponderEliminar
  11. bem chavoes e preconceitos nao entram muito nem na minha cabeca nem na minha casa. Adorei seu prato,a pesar de nao ser muito fa de Tofu. Belissimas fotos, alias como sempre de muito bom gosto

    ResponderEliminar
  12. É por saladas assim, que acho que podia ser vegetariana! Mas confesso que nunca usei Tofu, a não ser num curso que fiz. Aqui está um bom pretexto ;-)
    Bjs
    Teresa

    ResponderEliminar
  13. Amiga, tuas palavras me transportam. Tem toda a tua doçura. As fotos estão lindas, como sempre. Sae que nao sei comprar tofu. Então ele entra muito raramente aqui em casa. Este prato está lindo, lindo. Coincidentemente estava sentada no jardim ontem e lendo o livro da SD pois procurava uma receita.Adoro a escrita dela, um vocabulário tao variado.

    ResponderEliminar
  14. Suzana querida
    É um mito pois já li algures que mais de 90% das louras que conhecemos na realidade não o são. A minha (nora) Ritinha é loura ( verdadeira) e também inteligente e cozinha muito bem. Quanto ao livro também o conheci através da Carlota e comprei-o logo :)
    Gostei muito das tuas fotos e da receita claro.

    ResponderEliminar
  15. Sim, de facto, esta Loura não sabe fazer Ovos Florentinos mas faz um Reine de Saba razoavelmente bom:)

    ResponderEliminar

Obrigada pelo seu comentário!