21.1.13

A amassar com o senhor Zine de Pão

Oficina de Pão

Farinha, água e sal. Por magia, 3 ingredientes apenas dão lugar ao alimento que têm sido pilar e sustento da mesa de muitos povos ao longo dos séculos. O processo é milenar e conta com o acaso e a persistência humana como responsáveis. Primeiro a acção das leveduras existentes no ar, depois os gestos coordenados de quem sabe o que faz com a massa. Da mão do padeiro nasce o pão. Sem pressas e com muito saber, repetem-se tradições e acumula-se o conhecimento sobre o modo de fazer. Foi também assim na Oficina de Pão que o Paulo Sebastião do Zine de Pão deu há uns tempos na Mercearia Criativa na sua passagem por Lisboa.

O pão artesanal tem vindo a ser esquecido, nas casas e nas padarias das nossas cidades. O tempo (ou a falta dele), os preços baixos exigidos pelos consumidores, a consequente alteração para processos cada vez mais industrializados e a menor qualidade das farinhas são razões para tal. O que não explica tudo na dificuldade em encontrar bom pão numa cidade como Lisboa. Pão que não tenha sido "melhorado" pela adição de sabe-se lá o quê, que tenha tido tempo para levedar, que tenha sido tratado com respeito e carinho por mãos sabedoras. São discussões para outra tribuna.

Oficina de Pão

Na Oficina de Pão falamos de como um bom pão artesanal é exigente. Precisa de ingredientes de qualidade e de isco. Isco? Precisa de ser amassado. Precisa de voltas e dobras. Precisa de tempo. Precisa de inspiração. Prontos?



Oficina de Pão

Dos livros que fazem parte da estante do Paulo Sebastião, vamos folheando alguns (em sueco) e comendo com os olhos, enquanto se conversa sobre pão. Sempre o pão. Simples, branco ou mais escuro. Com sementes, frutos secos ou frutas. Passam-se os minutos e as horas. A massa à nossa espera tem de ser amassada.

Parece fácil. Não é. Mãos na massa e gargalhadas. A técnica do senhor Zine de Pão. Usar a gravidade. Diz ele. Trabalhar a massa. Sovar. Uma fantástica terapia. Digo eu. Não apenas gastronómica. Até se obter uma textura certa. Testar. Verificar o "véu". Levanta-se a massa contra a luz e um fino véu deve deixar passar alguma luminosidade.

Oficina de Pão
Oficina de Pão

Deixar levedar. Com o pão há sempre a espera. Até que se pode dividir a massa e tender os pães. De diferentes formatos e tamanhos. Lá nos debatemos de novo com a massa. O padeiro age em movimentos certos. Não precisa de mais farinha. A massa parece reconhecê-lo. Não cola. Não resvala. Nada. As minhas são mãos com muito para aprender. É a única conclusão que me resta.

A massa tendida e guardada num cesto ou tigela para levedar mais hora e meia. Há-de ser cozida e transformada em lindos pães na casa de cada um.

Oficina de Pão

O meu pão fica quase perfeito. Falho os cortes e deixo cozer (talvez) um pouco de mais. Nada que me tire o sorriso da cara quando a faca deixa ver a textura perfeita e se adivinha o sabor.

Não será surpresa para ninguém dada a adoração já manifestada. A afirmação do dia é que não há nada que se compare ao bom pão.

Oficina de Pão

--
leia também:

Pão de Tamagochi no Conversas à Mesa
Oficina de Pão no Tertúlia de Sabores
Oficina de Pão no a mesa de luz

e oiça também:

O Paulo à conversa com João Gobern e Pedro Rolo Duarte no Hotel Babilónia

14 comentários:

  1. Que pena tive de não conseguir ir... culpa minha... dei por mim inscrita numa corrida com um grupo de amigos e familiares exactamente à mesma hora...
    ela tua descrição, vejo que perdi um workshop cheio de voltas e dicas. :)

    ResponderEliminar
  2. Só mesmo eu, para amassar pão de lenço ao pescoço, quase pareço uma barbie ;)
    Foi uma tarde muito bem passada, aprendi muito e tenho ainda mais para aprender.
    Bj
    Manuela

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não pareces nada uma barbie. É a elegância de quem sabe o que faz. ;)

      Beijo*

      Eliminar
  3. Perfeito! Não estivesse tão longe e tinha adorado essa experiência com o Paulo. Ainda fiquei com mais pena depois deste post. Adorei! beijinhos saudosos

    ResponderEliminar
  4. Muito bom seu site. Estou sempre acompanhando seus posts. Está de parabéns. Beijos.

    ResponderEliminar
  5. Que experiência fantástica, Suzana! Quem me dera.
    Apesar da pausa no blog, não houve pausa na cozinha e tenho feito muito pão. Tenho repetido uma receita do Nigel do Diário II absolutamente deliciosa. É demorado? É sim senhor, mas só assim resulta num pão irrepreensível.
    Um abraço

    ResponderEliminar
  6. Que experiência fabulosa Suzana!!
    Nada como um bom pão, bem amassado com carinho e tempo.
    Tudo leva o seu tempo, mas no final o pão brilhou!
    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  7. Que miolo lindo e que vontade de passar uma manteiga e encher esses buraquinhos :)

    ResponderEliminar
  8. Uauuu! Que pão com tão bom aspeto! É pena precisar de tanto tempo até estar feito. Eu adoro pão! Especialmente quentinho e acabado de fazer...
    Teresa em http://technicolorkitchen.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  9. Eu AMO pão. E é meu fraco: não sei fazer!!!!! acredita? isso sempre fica faltando aqui no ovos quebrados!!!!!

    ResponderEliminar

Obrigada pelo seu comentário!