4.6.13

Peito de pato, compota de frutos do bosque e o Workshop Canderel Green

Workshop Canderel Green

Doce e salgado, o par eterno. O sal e o açúcar são responsáveis por dois dos cinco sabores básicos (doce, salgado, amargo, ácido e umami). Um dos segredos da cozinha é saber dosear em proporções equilibradas os diferentes sabores, os que são complementares e os que são contrastantes, e não ter medo de experimentar.

E, numa manhã de sol e calor, é este o desafio feito pelo chef Rodrigo Meneses no workshop Canderel Green, que teve lugar no Kiss The Cook. Vamos experimentando o doce da stévia, uma planta muito curiosa, enquanto falamos sobre a alternativa ao açúcar que este adoçante natural proporciona e o que se pode fazer ele.

Primeiro, uma sopa de kiwi e gengibre, a que umas raspas de limão acabado de ralar servem de chamamento. O exemplo último de que doce e ácido fazem boa companhia, aqui numa entrada fria a lembrar sobremesa. Para gáudio dos muitos gulosos de serviço.

Workshop Canderel Green

Depois, já na bancada e de facas afiadas, um prato de carne a que uma compota rápida se vem juntar como tempero. Para um almoço leve e colorido, uma receita de peito de pato servido sobre folhas de salada e nozes e uma compota de frutos do bosque que lhe dá toda a graça.

Doce, ácido, salgado. O pato, aqui cozinhado a 4 mãos e com muita conversa pelo meio, talvez tenha passado um pouco do ponto. A compota, essa, estava perfeita nas diferentes camadas de sabor e há-de ser repetida muitas vezes.

Workshop Canderel Green
Workshop Canderel Green



De volta à bancada. Porque nenhuma refeição está completa sem um momento doce a acompanhar o café, aqui estão os nossos pastéis de nata. Desafio maior para cozinheiros amadores e fornos domésticos, a braços com a técnica e temperaturas que não chegam aos calcanhares dos seus pares profissionais. O resultado está no prato, sem reclamações da barriga e quase sem culpas, com o Canderel Green a adoçar.

E o doce, esse, nunca amargou.

Foi assim um almoço preparado e comido entre muita conversa. A aprender sobre novos ingredientes e técnicas de cozinha, sobre o doce e o salgado, o ácido e o amargo. Em muito boa companhia.

Workshop Canderel Green

Peito de pato com compota de frutos do bosque

serve 2

2 peitos de pato fresco (cerca de 300 g)
200g frutos do bosque (mirtilos, amoras, framboesas, groselhas)
1 colher (sopa) Canderel Green (mal cheia)
sal e pimenta, acabada de moer

Dê alguns cortes paralelos de modo a formar uma quadrícula na pele do peito de pato (sem chegar à carne). Tempere os dois lados com sal. Aqueça uma frigideira e coloque os peitos de pato com a pele para baixo. Vá retirando sempre o excesso de gordura libertada para não fritar. Quando a pele estiver dourada e a gordura tiver reduzido (cerca de 7 minutos), vire e cozinhe 3 minutos. Retire os peitos de pato e deixe numa tábua de corte a descansar antes de cortar.

Para a compota, coloque os frutos do bosque num tacho pequeno. Quando o sumo da fruta se começar a libertar, adicione o Canderel Green Granulado. Mexa e deixe reduzir ligeiramente em lume fraco.

Corte o peito de pato em fatias finas, na diagonal. Sirva com uma salada de folhas verdes e roxas e nozes. Disponha o peito de pato em leque e tempere com pimenta acabada de moer. Deite duas colheres de compota em volta da salada, como tempero.

notas:
* O peito de pato deve ser mal passado para que a carne não fique dura. Ao permitir que a carne descanse, os sucos vão redistribuir-se e ao cortar esta fica mais suculenta.
* Esta é um compota "rápida" pelo que não deve ser guardada. Use no próprio dia.
* O Canderel Green pode ser substituído por açúcar. Nesse caso deve usar-se o dobro da quantidade.

12 comentários:

  1. Mas que boa experiência Suzana! Adoro pato e só não como muitas vezes porque a minha parte preferida, que é o peito, em determinadas alturas do ano tem um preço quase proibitivo :)
    Gostei da ideia da compota de frutos vermelhos, oh se gostei!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu normalmente compro o dito inteiro e depois faço 2 ou 3 refeições (peito, pernas, carcaça) e sempre fica mais em conta. Mas sim é caro. ;)

      Um beijo*

      Eliminar
  2. Que bela experiência!
    Adoro pato e acompanhado com essa compota deve ser uma delícia!

    ResponderEliminar
  3. Olá Suzana
    Adoro descobrir estas novidades com os teus posts.
    Desconhecia a stévia. Há todo um mundo para descobrir!
    O colóquio de que te falei resultou também em muitas descobertas. Terias gostado (a Professora Ornellas foi fantástica).
    Um abraço de boa semana,
    Guida

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Guida,

      Imagino que tenha sido o máximo. O programa era muito bom e a professora Inês Ornellas é sempre o máximo! Tenho tanta pena que não tenha dado para ir. Para a próxima não falto. ;)

      Um beijo e boa semana*

      Eliminar
  4. Sempre sugestões boas, aqui! Esta é requintada e supreendente. Fico ansiosa por experimentar!
    Babette

    ResponderEliminar
  5. Que ótima experiência e que fantástica refeição e apresentação.
    Kiss, Susana
    Nota: Ver o passatempo a decorrer no meu blog:
    http://tertuliadasusy.blogspot.pt/2013/06/3-edicao-do-projeto-escolha-do.html

    ResponderEliminar
  6. Acreditas que nunca fui ao Kiss the Cook.. é lamentável mesmo! Deve ter sido um workshop fantástico, adorei a partilha um beijo!

    ResponderEliminar
  7. Essa receita do magret é fantástica com umas cervejinhas bem geladas não tem nada melhor...fiz e ficou ótima
    parabens

    ResponderEliminar
  8. Outro evento bacana do qual vc participou. Tens tido um ano bem interessante, nao?!

    ResponderEliminar

Obrigada pelo seu comentário!