27.11.13

Castanhas com açúcar e canela para um dia outonal na Herdade do Peso

Herdade do Peso, Vidigueira

O Alentejo é sinónimo de portas abertas e uma mesa sempre posta. Seja Verão ou Inverno, esteja calor ou frio, há na serenidade do campo, das casas e das pessoas uma mensagem de boas vindas sempre presente. Encanto-me com as cores da vinha. Quando visito a Herdade do Peso é a casta Syrah a mais exuberante a celebrar o Outono, num vermelho vibrante, acompanhada de perto por pinceladas mais claras de Aragonês.

Nas vinhas escreve-se a passagem do tempo, a meteorologia, a história da terra e a tradição de quem a habita. Uma paleta de ocres, alaranjados e vermelhos mais ou menos vivos pintam de cores diferentes, aqui e ali, a paisagem. Nas próximas semanas hão-de cair todas as folhas e a vinha há-de ganhar um ar despido. Por enquanto, e para minha delícia, é um sem fim de nuances outonais que emoldura o horizonte pelo Alentejo a dentro.

Fazemos um piquenique na vinha? A pergunta abre-me um sorriso largo no rosto. Em jeito de resposta afadigam-se as mãos para os cestos de pão, as empadas de galinha, a linguiça frita, o ananás com coentros e o queijo de cabra e ervas. Chego-me à frente e apenas resta uma garrafa de Vinha do Monte branco, que carrego de bom grado.

Herdade do Peso, Vidigueira Herdade do Peso, Vidigueira

Por entre vinhas em preparação, abre-se o vinho enquanto João Vasconcelos Porto, responsável pela viticultura da Herdade do Peso, explica as escolhas na selecção, cultivo e manutenção das vinhas e castas ali existentes. É a filoxera, a praga mais devastadora da viticultura mundial, que vem demonstrar o engenho humano na vinha e a resiliência dos produtores. A utilização de porta-enxertos, imunes à filoxera, permite contornar o problema. É na relação directa entre a viticultura e a enologia que desenham os vinhos, com nos explica o enólogo Luís Cabral de Almeida.

Na Herdade do Peso estão identificados cerca de uma dúzia de terroirs, áreas com características específicas que determinam o perfil e qualidade dos vinhos. As castas, na sua maioria tintas, são as já referidas Aragonês e Syrah, mas também Alicante Bouschet, Cabernet Sauvignon, Touriga Nacional e Petit Verdot e uma pequena quantidade de uvas brancas, Antão Vaz, Arinto e Chardonnay.

Estamos em Novembro e, embora o sol brilhe, já faz frio. Poucas coisas são mais reconfortantes que castanhas, quentes e boas, e um copo de vinho, desta feita tinto, um Herdade do Peso Colheita 2011. As castanhas com açúcar e canela são uma enorme surpresa e um acompanhamento perfeito para uma caminhada por entre as videiras e uma conversa animada sobre vinho.

Castanhas com açúcar e canela
Herdade do Peso, Vidigueira



A visita à adega é como entrar num laboratório de alquimia. Acho sempre que estes são lugares cheios de segredos, onde se destilam poções mágicas e se misturam ingredientes para momentos felizes.

São os aromas que me levam para longe, a imaginar viagens e aventuras. Ou talvez seja o vinho antes do almoço. Finco pé na primeira opção e lá vou reconhecendo os diferentes espaços onde o processo de transformação da uva em vinho acontece.

Herdade do Peso, Vidigueira Herdade do Peso, Vidigueira Herdade do Peso, Vidigueira
Herdade do Peso, Vidigueira

E é chegada a hora de almoço e a prova de vinhos tintos. Uma porta aberta deixa entrar o sol e convida-nos a entrar. Há mais uma mesa posta à nossa espera.

A gastronomia alentejana representa a terra e os ingredientes regionais fazendo uso de uma engenhosa forma de fazer mais com menos. A harmonização entre os diferentes vinhos da Herdade do Peso e as receitas tradicionais alentejanas confere sentido a toda a experiência, como se estivessem ali uns para os outros. Os pratos e os vinhos.

A sopa com pão torrado e cação, rica e densa, é consolo servido num prato. Muito característica do Alentejo, a sopa de cação é incontornável na gastronomia da região. A minha versão, com muito mais coentros, é bastante diferente da servida. Faço uma anotação mental para experimentá-la assim que se proporcione.

Herdade do Peso, Vidigueira Herdade do Peso, Vidigueira

Do prato principal, só a memória de um entrecosto com vinho tinto delicioso. Esquecimento meu, que entre conversa, comida e um excelente Reserva Tinto 2009 nunca mais me lembrei do registo fotográfico. De novo, culpe-se o vinho (que tem as costas largas) ou a cabeça noutro lugar da fotógrafa. De linda cor vermelho-escura e aroma intenso, o Reserva foi o meu vinho preferido do dia.

Para a sobremesa, de novo o Outono à mesa. Marmelos cozidos em xarope de açúcar e nozes. Se dúvidas houvesse, ei-las que se dissipam a cada garfada. Hei-de lembrar-me deste dia como o mais perfeito passeio outonal do ano.

Herdade do Peso, Vidigueira Herdade do Peso, Vidigueira

Um agradecimento a tod@s por este um dia fantástico. Em especial à Mafalda Guedes pelo convite e pela companhia, ao Luís Cabral de Almeida pelas histórias e por nos ensinar a olhar os vinhos a partir da vinha, ao João Vasconcelos Porto pela boa disposição, pelos esclarecimentos e respostas a todas as questões e ao Jorge Palha por nos guiar por entre as vinhas e pela infinita paciência para as minhas intermináveis fotografias (são do Jorge as mãos que seguram as castanhas com açúcar e canela). Muito obrigada!



Castanhas com açúcar e canela

serve 4

400 g castanhas descascadas (podem ser congeladas, à temperatura ambiente)
50 g açúcar granulado
1/2 colher canela em pó
150-250 ml óleo de amendoim (ou outro óleo vegetal)

Coloque o açúcar e a canela numa tigela e misture. Aqueça o óleo num tacho médio e frite as castanhas, por 2-3 minutos. Retire com uma escumadeira e escorra sobre papel absorvente. Passe cada castanha por açúcar e canela. Repita a operação até terminar as castanhas.

Sirva morno.

8 comentários:

  1. Mas que bela passeata, isso é que é ter sorte! Castanhas fritas com açúcar e canela... fiquei mesmo, mesmo curiosa!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. As castanhas são excelentes. Tens de experimentar. ;)

      Eliminar
  2. As castanhas devem ser uma coisa maravilhosa!
    Fico com pena de não ter podido ir, adorei o convite mas durante a semana é sempre difícil ir. O alentejo recebe sempre bem. E fico com pena de não ter estado contigo. Belas imagens.
    Um beijinho.

    ResponderEliminar
  3. Nunca pensei em castanhas com canela mas só de ler "canela" já me dá uma vontade imensa de experimentar :)

    ResponderEliminar
  4. Lindas imagens. O Alentejo é sempre acolhedor e bom anfitrião! Castanhas com canela parece-me tão bem!! :)

    ResponderEliminar
  5. Olá,
    Que lindas imagens, e castanhas com canela que combinação mais que feita.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  6. Que lindas fotos e essas castanhas ficaram a chamar por mim.
    Bjs, Susana
    Nota: Ver os passatempos a decorrer no meu blog:
    http://tertuliadasusy.blogspot.pt/2013/11/1-aniversario.html
    http://tertuliadasusy.blogspot.pt/2013/12/strudle-de-bacalhau-e-couve-com-chourico.html

    ResponderEliminar
  7. Esta brasileira aqui é uma APAIXONADA pelo ALENTEJO. E por Lisboa. E são as cores que mais gosto, esse outono de castanhas!

    ResponderEliminar

Obrigada pelo seu comentário!