18.2.14

À descoberta dos sabores da Terra Fria: o butelo e as casulas

Butelo e casulas

Preservar tradições gastronómicas portuguesas e dar a conhecer produtos da terra. Responsabilidade de todos, vontade de tantos, desejo tornado realidade por alguns. Na infinidade de enchidos que proliferam no território nacional inscrevem-se os hábitos e os usos das gentes e escreve-se uma história contada entre o fumeiro e a mesa. Na Terra Fria, alheiras, azedos ou morcelas remetem de imediato para o imaginário das tradições transmontanas. Mas é o butelo que conta uma estória de mistério, onde o total aproveitamento do porco para conservação e todos os saberes desenvolvidos ao longo do tempo, se convertem num enchido peculiar que utiliza o bucho e é feito com os ossos tenros das costelas e do espinhaço.

No próximo fim-de-semana, de 21 a 23 de Fevereiro, decorre em Bragança mais uma edição do Festival do Butelo e das Casulas, organizado pela Câmara Municipal.

Ao encontro do butelo e das casulas para mais um jantar de descoberta dos sabores de Trás-os-Montes, é pela mão da chef Justa Nobre que volto a cruzar-me com o butelo e as casulas e, não menos importante para o prato, o bom azeite transmontano.

Azeite transmontano, Chef Justa Nobre

Da apresentação do Festival do Butelo e das Casulas no Spazio Buondi – Nobre trago na lembrança os deliciosos pastéis de Entrudo da chef Justa e a combinação de sabores perfeita numa entrada de azedo com grelos e presunto. A que se seguiu a estrela do jantar, uma receita feita à maneira tradicional, a celebrar o butelo com casulas.

As casulas, ou cascas, são mais um resultado do engenho humano. Fruto da necessidade de conservar as vagens de feijão, estas são secas ao sol ainda verdes e guardadas para os dias frios. Gosto muito do sabor característico e da textura das vagens, mas não do fio que muitas ainda mantêm quando são cozinhadas. Com a batata nova, as cebolinhas novas e o azeite, representam a santíssima trindade dos produtos agrícolas transmontanos.

E depois há a castanha. Escolha mais que acertada num menu de exaltação da gastronomia de Trás-os-Montes, fez-se sobremesa num semifrio acompanhado por uma castanha glacê. Sem ser pesado ou demasiado doce, este semifrio com molho de baunilha completou da melhor forma um jantar cheio de conversa e boa disposição.

Chef Justa Nobre Semifrio de castanha da Chef Justa Nobre

--
leia também:
10 razões para ir a Bragança de 21 a 23, por Fátima Moura, Conversas à Mesa
Justa Nobre apresenta o Festival do Butelo e das Casulas de Bragança, por Raul Lufinha, Mesa do Chef
Vamos a Bragança comer butelo e casulas? por Ale­xan­dra Prado Coe­lho, Mais Olhos Que Barriga

3 comentários:

  1. Que maravilha que foi e voltará a ser esse evento.
    A julgar pela descrição e imagens, sei que iria adorar e preservar o que de melhor se faz e existe em Portugal, deveria ser um lema Nacional!
    Adoro bom gosto e adoro o bom gosto deste blogue!!
    Beijinhos,
    Lia.

    ResponderEliminar
  2. Suzana e impressionante a forma como a escrita flui e os teus textos dizem tanto numa simples frase. Nunca provei Butelo e Casulas, talvez por me ter cruzado com tais ingredientes, mas cada vez que os mencionas no teu blog, fico com vontade de o fazer e conhecer mais um pouco sobre a gastronomia portuguesa.

    Beijinhos

    ResponderEliminar

Obrigada pelo seu comentário!