22.7.14

À mesa na Herdade do Esporão

Herdade do Esporão

No Alentejo o tempo passa mais devagar. E esse é apenas um dos seus muitos encantos. É como se todos os afazeres do dia pudessem ser cumpridos sem a pressão do relógio e a vida fosse acontecendo em harmonia com a paisagem. A estrada que nos leva até à Herdade do Esporão tem, como seria de esperar, uma moldura de vinhas e flores campestres, encimada por um céu azul a perder de vista. São quilómetros de uma imensidão com uma serenidade muito própria, característica identitária de um lugar muito especial.

Chegada a hora do almoço, o espaço do restaurante é ainda mais convidativo com a sua vista aberta sobre as vinhas, a barragem e o montado. A curiosidade divide-se entre as ervas aromáticas à beira do terraço, com os tomilhos e a erva caril no seu auge, e a nova adega de lagares a tomar forma com as suas paredes de taipa, mesmo ali ao lado. E numa terra em que a mesa ocupa o lugar central, as conversas acontecem quase sempre em volta do prato e com um copo na mão.

Herdade do Esporão Herdade do Esporão Herdade do Esporão

Quando se entra no restaurante é a luz que passa pelas grandes janelas abertas sobre o terraço que mais chama a atenção. A mesa posta na sala mais pequena está decorada com flores do campo e os menus impressos remetem para os padrões das mantas alentejanas. No coração da tradição vínica do Esporão, o nosso almoço celebra os brancos num conjunto de harmonizações em que os vinhos encontram nos pratos do chef Miguel Vaz parceiros com quem dialogar. As conversas cruzadas com a enóloga Sandra Alves, responsável pelos brancos e rosés na equipa de enologia liderada por David Baverstock, são o veículo perfeito para compreender melhor os vinhos que chegam à mesa e a sua ligação com os pratos.

No Cappuccino de ervilha, cogumelos em pickle e espuma de presunto estão alguns dos sabores que melhor espelham o Alentejo. Servido com um dos pilares do Esporão, este prato encontra no Monte Velho branco 2013 o par perfeito para as boas-vindas. Apreciado ao longo dos anos por diferentes gerações, a história deste vinho confunde-se a espaços com a da Herdade do Esporão. A combinação deste branco jovem, frutado e fresco, com a riqueza do presunto no cappuccino funciona às mil maravilhas.

Herdade do Esporão

A carta Primavera/Verão do chef Miguel Vaz é resultado de uma ligação à terra e à sua gastronomia, numa abordagem bem contemporânea. Com uma horta biológica que fornece o restaurante todo o ano com os produtos da estação, não é de estranhar que os vegetais assumam um papel importante nas escolhas do chef. Quando a terra mais produz é um sem fim de possibilidades que se abrem e que fazem do Visita à Horta... um prato em constante mutação. A acompanhar um copo de Verdelho 2013, um monovarietal elegante e intenso que se faz os encantos da mesa e ombreia com a tempura de couve-flor e o nabo crú marinado, os rolinhos de couve e o pickle de cebola roxa na perfeição. Um vinho com personalidade para um prato fantástico, talvez a minha harmonização preferida.

Com as conversas em torno da meteorologia e o seu papel na vinha, lá avançamos para um prato que faz uso de mais um ingrediente icónico do Alentejo. São os lagostins a assumir destaque, com as águas da barragem ali tão próximas.

Herdade do Esporão



Herdade do Esporão Herdade do Esporão

Lagostim, puré de couve-flor, toucinho de porco preto, azeite de limão e funcho selvagem é um prato inteligente e muito bonito que no entanto não me arrebata o coração. Culpo a minha paixão pelo prato anterior, ainda no palato, e o encanto do vinho 2 Castas 2013 que entretanto me chega ao copo. As castas eleitas em 2013 são Gouveio (70%) e Antão Vaz (30%), numa conjugação muito aromática e equilibrada. É a delicadeza deste vinho, muito diferente do anterior pelo seu carácter vegetal, que me ficam na memória.

Mais que prontos para o prato principal, eis-nos perante o famoso Bacalhau 66ºC, panadeira de batata e legumes do chef Miguel Vaz. A todos os níveis excepcional, este é de novo um prato repleto de referências à terra. A panadeira de batata é uma receita com raízes alentejanas mas cujo percurso está pouco inscrito na gastronomia local. Lembra-me os pratos de batata franceses (mas sem as natas e a manteiga). Gosto das texturas e da leveza deste prato. A harmonização com o Esporão Reserva Branco 2013, onde se encontram as castas Antão Vaz, Arinto, Roupeiro e Semillon, surge numa combinação clássica e bem conseguida.

Herdade do Esporão Herdade do Esporão Herdade do Esporão

A tempo de adoçar a boca, um Desafio chocolate, azeite e vinho numa espécie de encontro das diferentes vertentes produtivas do Esporão. Para o meu gosto um nadinha doce em demasia, em virtude do chocolate de leite. Questão que aparentemente não se coloca aos meus companheiros de conversa e que é compensada assim recebe um fio de azeite Galega Esporão.

Ainda com os sentidos a processar chega à mesa um imponente e lindo Mil folhas de morango e vinho Licoroso. Servido com o Late Harvest 2012 há uma concorrência entre ambos que funciona no prato mas não os favorece na harmonização. O que não impede o apreciar cada um por si, para finalizar um almoço memorável.

Herdade do Esporão Herdade do Esporão

Uma das vantagens de ter campo a perder de vista é que a seguir ao almoço se pode andar tanto quanto se queira (e se consiga). Para digerir a experiência e conhecer melhor a Herdade. Uma visita mais que recomendada.

--
Restaurante da Herdade do Esporão
Herdade do Esporão
7200-999 Reguengos de Monsaraz

3 comentários:

  1. Olá Suzana,
    Depois de ler o teu post é inevitável colocar este restaurante no roteiro de "lugares a conhecer". A ver se o Alentejo não fica muito "longe" nos meus dias de descanso ;)
    Um abraço,
    Guida

    ResponderEliminar
  2. A Herdade do Esporão é tão bonita, adorei ter visitado. Na altura não fomos ao restaurante, mas fiquei com imensa vontade de experimentar. Espero que na próxima visita ao Alentejo haja tempo para aproveitar um almoço assim, com muita, muita calma!

    ResponderEliminar
  3. Que maravilha! Adorei as fotos especialmente essa sobremesa no fim...hummm. Deve ser uma perdição!
    ____________________
    aculpaedasbolachas.com

    ResponderEliminar

Obrigada pelo seu comentário!