24.4.15

Por um Algarve desconhecido e uma torta de alfarroba com creme de limão

Algarve, Portugal

A Sul, um oceano infinito e praias de areia branca pautam as imagens com que o Algarve sempre se apresenta. Para além do azul, há um Algarve verde onde as serras marcam uma paisagem que recebe bem em todas as alturas do ano e a calma é a característica mais apreciada. Segredo bem guardado para fugir às correrias do Verão este é o tempo de descobrir a face oculta de uma região com muito para contar.

Pelas estradas do parque natural da serra de Monchique é a natureza na sua roupa de Primavera que desenha o caminho, por entre árvores perfiladas na berma estreita e muita vegetação. Razões de sobra para o cognome de Jardim do Algarve, ganho graças a este património natural. Ali à esquerda, uma passagem para as Caldas de Monchique. Mais verde, ainda mais exuberante, num lugar onde a temperatura amena, o sossego e um certo mistério não deixam de lembrar Sintra.

Algarve, Portugal Algarve, Portugal Algarve, Portugal

Entrados nas Caldas de Monchique, quando se chega às Termas o melhor é deixar o carro, aproveitar as vistas e seguir a pé à descoberta. As flores nas janelas, a pender dos muros ou a enfeitar as árvores são o encanto de quem pede pouco mais que um dia de descanso. É o cheiro de pão cozido que orienta o percurso. Com a gulodice e uma pontinha de curiosidade damos com o local onde tudo acontece. O forno de lenha tem a porta aberta e uma senhora retira uma pá pãezinhos com chouriço ainda fumegantes.

À troca do azul pelo verde sucede-se a substituição da bola de berlim por um pão com chouriça acabado de fazer e servido ali ao lado no bar de pedra. Com um café e o sol por entre os ramos das árvores há pouco mais que se possa pedir. A não ser que o almoço traga uma sobremesa inesquecível...

Algarve, Portugal Algarve, Portugal Algarve, Portugal Algarve, Portugal

[Para que estiver no Algarve a 5ª edição do Algarve Chefs Week está prestes a começar (decorre de 26 de Abril a 3 de maio) com a participação de 10 Chefs Executivos de prestigiados hotéis do Algarve. Este ano os menus encontram inspiração em 5 produtos característicos da região: Flor de Sal, Figos Secos, Alfarroba, Favas e Laranja.]



Ainda com a alma cheia e o estômago consolado é hora de retomar a estrada até Monchique. De novo, nada como largar o carro no Parque São Sebastião, dar um voltinha pelo miradouro e seguir o enredo das ruas e ruelas que dão forma ao coração da vila. Aqui a gastronomia é figura maior e o passeio acaba inevitavelmente à mesa. N' A Charrette encontra-se um sem número de pratos onde impera o grão, o feijão, as carnes e os enchidos. A imponente vitrine onde se mostram as loiças de outros tempos prendem o olhar a quem chega. Para mim é uma tentação não ficar especada a olhar cada uma longamente. Mas é preciso ir para a mesa. Lá vou, a contragosto.

Os vinhos da região são também presença assídua neste restaurante, onde os muitos Cozidos têm tradição. Neste dia são as bochechas de porco e uma barriga de atum que fazem o nosso almoço, em doses generosas e mão certa no tempero. Fico curiosa com o Convento do Paraíso 2012 que se encontra na nossa mesa. O rótulo bonito leva-me a querer saber mais sobre este tinto da Quinta com o mesmo nome. O Algarve começa definitivamente a encontrar o seu lugar no mapa dos vinhos nacionais com propostas que se diferenciam pela ligação à terra, às pessoas e à história. No meio da conversa chega a sobremesa. Sem fome, escolhemos duas fatias fininhas de uma torta onde se encontram a alfarroba, a amêndoa e os citrinos. A combinação é fantástica e a vontade de a refazer em casa persistiu. Parece ser a maneira mais apropriada de lembrar e celebrar este outro Algarve, de serras e verde a perder de vista.

É que afinal o Algarve não é só praia!

Algarve, Portugal Algarve, Portugal

Torta de alfarroba com creme de limão

para o bolo:
5 ovos, separados
2 colheres (sopa) açúcar amarelo
2 colheres (sopa) farinha de alfarroba
2 colheres (sopa) farinha sem fermento
1 colher (sopa) amido de milho (maizena)
2 colheres (sopa) açúcar branco + extra para enrolar
1 colher (chá) licor de amêndoa (amarguinha) (opcional)
pitada de sal

Pré-aqueça o forno a 180ºC. Peneire as farinhas e o amido de milho e reserve. Bata as claras em castelo com uma pitada de sal. Quando começar a formar "castelos" adicione o açúcar branco, uma colher de cada vez, batendo entre cada adição. Deve obter um merengue brilhante. Prepare o tabuleiro de 30x40 cm com papel vegetal (fixe o papel com um pouco de merengue em cada ponta), pincele com manteiga e polvilhe com um pouco de farinha de alfarroba. Numa tigela grande, bata as gemas com o açúcar amarelo até obter uma mistura esbranquiçada. Junte os ingredientes secos e mexa. Adicione uma colherada de merengue e bata para tornar a massa mais fácil de trabalhar. Envolva o restante merengue sem bater. Espalhe a massa no tabuleiro e alise com uma espátula. Procure ficar com uma camada de massa fina e homogénea. Leve ao forno 10-12 minutos. Retire do forno e vire sobre um pano de cozinha polvilhado com açúcar, remova o papel vegetal e enrole o bolo (sem recheio) com a ajuda do pano, a partir do lado maior.

para o lemon curd
125 ml sumo de limão
raspa de 1 limão
1 ovo inteiro
3 gemas
2 colheres sopa leite
1/3 chávena açucar
¼ colher (chá) sal (omita se utilizar manteiga com sal)
6 colheres sopa manteiga, cortada em pedaços

Bata todos os ingredientes até estes ligarem, excepto o sumo e raspa de limão e a manteiga. Acrescente em seguida o sumo e raspa de limão e adicione a manteiga.

Leve a lume médio num tacho pequeno anti-aderente, mexendo continuamente até a mistura ficar a cobrir as costas da colher. (Não deixe ferver ou os ovos podem talhar) Depois de engrossar, coloque numa tigela ou em frascos e deixe arrefecer. Tape e refrigere até utilizar.

açúcar em pó para polvilhar
maçapão, estendido ao tamanho do bolo desenrolado (opcional)

Desenrole o bolo e cubra com a placa de maçapão (se usar). Barre com o creme de limão, não enchendo demasiado (pode não ser necessário todo o creme). Deixe uma margem de 3-4 cm a toda a volta e volte a enrolar. Reserve no frio até servir. Apare as pontas com uma faca de serrilha e polvilhe com o açúcar em pó.

Algarve, Portugal

--

Villa Termal das Caldas de Monchique
Wine & Tapas Bar "O Tasco"
Rua de Caldas de Monchique, 8550-232 Monchique


A Charrette
Rua do Doutor Samora Gil 34, 8550-461 Monchique




1 comentário:

  1. E ainda bem que há muito mais no Algarve para além da praia! Se tudo correr bem, este ano vou passar uns dias ao Algarve, em junho, e espero poder descobrir o que se estende para lá das praias :)

    ResponderEliminar

Obrigada pelo seu comentário!