1.3.16

{Boi Cavalo} A primeira etapa da road trip do Bacalhau da Islândia

Boi Cavalo, roadtrip Bacalhau da Islândia

Coloque-se um ingrediente tradicional como o bacalhau nas mãos de chefs irreverentes e criativos e um mundo novo de sabores formar-se-à em pleno prato. Esta ideia em forma de desafio marca a road trip do Bacalhau da Islândia, que ao longo do ano há-de passar por vários restaurantes em Portugal em busca de olhares inovadores sobre o fiel amigo.

A primeira etapa decorre no Boi Cavalo com as propostas do chef Hugo Brito a privilegiar um corte nobre, o lombo, e uma parte pouco considerada, os sames (ou tripa) de bacalhau, numa reinvenção da cozinha da cidade de Lisboa, em que os ingredientes de sempre surgem com outras roupagens e em novas companhias. É o caso do prato cuja descrição no menu nos deixa a adivinhar uma aventura. Lombo de bacalhau, rabo de boi, little gem. Com a fotografia (em cima) a não fazer justiça à desafiante combinação de peixe e carne, foi na conversa acessa que gerou, na discussão e partilha de opiniões diferentes, nas memórias revisitadas. Para mim, é um prato pleno de intenção nos sabores que propõe e funciona sobretudo graças ao molho que liga todos os componentes. Mas o chef já me tinha conquistado logo no início com as surpresas fora do menu.

Boi Cavalo, roadtrip Bacalhau da Islândia Boi Cavalo, roadtrip Bacalhau da Islândia Boi Cavalo, roadtrip Bacalhau da Islândia Boi Cavalo, roadtrip Bacalhau da Islândia



O pato, pomelo, salva estaladiça e amêndoas que chega à mesa ainda o menu não começou deixa-me cheia de vontade de mais desafios. Citrinos e pato cozinhado a baixa temperatura não é uma combinação estranha mas a salva e as amêndoas trazem consigo emoções diversas sob a forma de uma complexidade inesperada. Ainda antes descubro na pele de bacalhau com maionese de nabo e tōgarashi, entre o divertimento e a perplexidade, aromas e texturas de jaquinzinhos fritos. São de novo os sabores portugueses que dão início ao menu com uma entrada de couve-flor, leite de aveia, farinheira, simples e reconfortante. Olho de novo para a cozinha que se abre sobre a sala para seguir as dinâmicas ordenadas da equipa.

No Boi Cavalo, os pratos tomam literalmente forma à vista da pequena sala forrada a mármore e onde ainda prevalecem marcas do antigo talho de Alfama que lhe precedeu. Descobrir o Bacalhau da Islândia na cozinha de Hugo Brito é encontrar também partes do peixe que hoje raramente são servidas mas que fazem parte do espólio gastronómico da história do bacalhau em Portugal. A tripa de bacalhau, beringelas, molho de choco, aneto é uma utilização muito interessante dos sames de bacalhau (que mais não são que a bexiga natatória do peixe) e que remetem para o choco frito ou para as pataniscas de bacalhau. É um prato tão inteligente e delicioso que quase me apetece deixar de lado o limpa palato, 2 shots de whisky e extracto de pepino, fogo e água para preparar uma nova fase da refeição que se inicia com o prato de bacalhau e rabo de boi já referido.

Por altura do quarto momento, pintada, batata, canja já só me interessa o próximo elemento surpreendente. E chega sob a forma de batata crua onde assentam pequenas almôndegas fritas de pintada com uma "salada" de coentros e salsa de referências asiáticas. A "canja" é vertida na mesa e termina um prato bonito de que não me esqueço facilmente. De sorriso aberto é tempo de manteiga de amendoim, arror doce, nori para a sobremesa. Sedoso e untuoso, tivesse a bolacha mais crocante e teria sido arrasador. Nada que alterasse uma experiência muito especial. O Boi Cavalo é daqueles restaurantes onde se vai para para divertir o palato e desafiar as convenções. É sofisticado sem ser pretensioso e cada prato conta uma história. E não há nada melhor que isso.

Boi Cavalo, roadtrip Bacalhau da Islândia Boi Cavalo, roadtrip Bacalhau da Islândia Boi Cavalo, roadtrip Bacalhau da Islândia Boi Cavalo, roadtrip Bacalhau da Islândia

Hoje e amanhã (quarta-feira, dia 2 de Março) o Bacalhau da Islândia é ingrediente principal no Boi Cavalo, antes da road trip seguir caminho para novas abordagens em torno do fiel amigo, sempre com irreverência e arrojo.

--
Boi Cavalo
Rua do Vigário, 70 B
1100-516 Lisboa

1 comentário:

  1. Adorei o blog.
    Que receitas mais apetitosas.
    Parabens!!
    Tornei-me seguidora do teu blog e ficaria muito feliz se me seguisses também em http://colherdepausaltoalto.blogspot.pt/
    Beijinhos
    Vânia

    ResponderEliminar

Obrigada pelo seu comentário!