28.4.16

O bolo merengue de amêndoa da minha mãe

Bolo merengue de amêndoa (com molho de maracujá)

Celebram-se ideias, valores, instituições ou pessoas todos os dias. Confesso a minha falta de atenção para datas específicas para além dos aniversários. Esqueço-me ou só percebo à última da hora. É assim também a minha relação com o dia da mãe. Apesar dos quilómetros que nos separam, tenho a sorte de ter com a minha mãe uma relação diária, feita de insignificâncias e conversa sem importância, de partilha de um quotidiano que é nosso e que em cada dia repetimos como se fosse o primeiro.

E se todos os dias dou e recebo da minha mãe os mais preciosos presentes, sob a forma de tempo e atenção, nem sempre (ou quase nunca) é dia de bolo. Valha o pretexto do dia da mãe para eu me esquecer da diabetes dela e fazer vista grossa à fatia maior que acaba no seu prato. A receita hoje é da minha mãe e este é, definitivamente, um bolo para ocasiões especiais.

Bolo merengue de amêndoa (com molho de maracujá)

Pudesse um espírito criativo seguir receitas e o mundo seria menos interessante. A minha mãe não consegue fazer a mesma receita duas vezes. Alguma coisa há-de mudar, seja o aroma ou tempero, um dos ingredientes (ou todos), a forma ou o tamanho, o recheio ou a cobertura. Razões de sobra para a emoção estar garantida e não ser fácil registar a dita receita. Este bolo foi feito várias vezes, uma só com os seus 3 ingredientes, outra com "duas colheres de sopa de farinha autolevedante, porque cresce mais" (mãe dixit). Por mim continuo a preferir a versão simples (sem farinha) que para mais não tem glúten. Por ser feito apenas com claras, este bolo merengue de amêndoa é uma boa alternativa para aproveitar sobras de outras receitas. Nesse caso pode ser servido com natas batidas e frutos vermelhos ou ananás. Cá em casa usamos também uma coalhada de limão ou frutos tropicais para servir este bolo ou, caso se utilizem os ovos inteiros, ovos moles. Esta é (claro!) a opção preferida da minha mãe e a sua receita original (ou o mais próximo que se consegue). É também a versão mais doce e especial, a que faz a felicidade dos gulosos e amantes dos doces "conventuais".

Para a minha mãe, o mesmo que lhe desejo todos os dias, beijos, juízo e até amanhã. Porque o dia das mães é todos os dias! Não há é sempre bolo.

Bolo merengue de amêndoa (com molho de maracujá) Bolo merengue de amêndoa (com molho de maracujá)



Bolo merengue de amêndoa (com molho de maracujá ou ovos moles)

8-10 porções individuais

para o bolo:
6 claras de ovo grandes
pitada de sal
220 g açúcar granulado
250g amêndoa com casca, ralada

Pré-queça o forno a 160ºC. Forre uma forma com 22 cm de diâmetro com papel vegetal. Bata as claras com uma pitadinha de sal até começar a formar "castelos". Aumente a velocidade e gradualmente adicione o açúcar granulado (uma colher de cada vez) até obter "castelos" firmes (cerca de 8 minutos). Junte a amêndoa ralada e envolva delicadamente. Deite a massa na forma preparada. Leve ao forno por 55 minutos ou até estar dourado e cozido. Deixe arrefecer completamente dentro do forno, preferencialmente de um dia para o outro.

para o molho de maracujá:
polpa de 6 maracujás
1 colher (sopa) sumo de limão
125 g açúcar granulado
2 ovos grandes, batidos e passados por um coador
30 g manteiga sem sal

Bata a polpa com 50 ml de água num processador. Coe por uma passador para retirar as sementes. Coloque todos os ingredientes à excepção dos ovos num tacho e misture bem com uma vara de arames até obter uma mistura homogénea. Leve ao lume para dissolver o açúcar e a manteiga. Retire do lume e acrescente os ovos mexendo sempre. Leve de novo ao lume, sem deixar ferver, mexa com uma colher até engrossar (6-8 minutos). Verta para uma leiteira e sirva com o bolo.

* Caso se utilizem ovos inteiros e não um aproveitamento de claras, este bolo também pode ser servido apenas com ovos moles feitos com as 6 gemas.

para os ovos moles:
6 gemas
175 g açúcar
150 ml água

Leve a água e o açúcar ao lume e deixe ferver até atingir um ponto de fio (105º). Retire do lume e deixe arrefecer ligeiramente a calda. Bata as gemas com uma faca e passe por um coador. Deixe escorrer bem. Junte as gemas à calda (ainda morna) e leve de novo a lume brando, mexendo sempre em movimentos rectilíneos (e não circulares) para não incorporar ar. Deixe engrossar até à consistência desejada (para este bolo deve ser ainda líquida), sem ferver.

5 comentários:

  1. Que receita tão especial. Mais uma para guardar na lista de receitas a experimentar em breve. Obrigada pela partilha.

    ResponderEliminar
  2. Só pelo aspecto, está aprovadissimo

    http://vinhosecompanhias.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  3. Que lindas palavras Suzana e que bom é saberes que tens o melhor que ela te pode dar. E que perdição de bolo, sem dúvida :D

    ResponderEliminar
  4. Suzana, adorei o teu texto que ao ler me deixou com um sorriso no rosto! Quanto a esse bolinho, fico a suspirar. Mãe é mãe e receita de mãe é coisa que vale sempre a pena. Vou experimentar este bolo que despertou os meus sentidos e curiosidade. :)
    Um beijinho.

    ResponderEliminar

Obrigada pelo seu comentário!