24.5.11

Um restaurante, uma loja e um gelado de chocolate amargo

Almoço no Maratona, Caldas da Rainha

Corre um Sábado sossegado com algum sol. Seguimos em direcção a norte por um estrada sem trânsito. No horizonte, por entre eólicas no cimo das serras, surge um céu menos azul. As nuvens sussurram promessas de chuva à nossa passagem. Não queremos saber. Fazemos orelhas moucas. Água é ingrediente que não entra na receita do dia. Há um Maratona à nossa espera e é preciso estamina que o longo curso não é para quem não tem pulmão, coração e estômago. Chuva? Não, por favor.

O caminho leva-nos às Caldas da Rainha. Chegamos demasiado tarde para as compras de frutas, flores e legumes no mercado que todos os dias durante a manhã acontece na Praça da Fruta. Para a próxima, mais cedo e munidos de cesta, não nos escapa. Almoçamos num espaço bonito e cuidado onde o serviço, a comida e o ambiente são 5 estrelas. Os preços? Mais que acessíveis. Não espanta a prole de clientes satisfeitos. Comemos sopa, uma entrada de queijo camembert com maçã confitada em ginja e espetada de tâmaras com bacon, uma pasta de salmão, um culin de peixe a puxar ao doce e um gelado de chocolate amargo sobre um crepe com molho de frutos vermelhos de que não nos esquecemos tão depressa. Uma maratona! Depois desta refeição, escolhemos caminhar e atravessar o jardim. Verde e uma calma de outros momentos como se não se tratasse de uma urbe em plena vida.

Caldas da Rainha, Portugal

Barcos, um cisne solitário e muitas árvores. Uma das pequenas alegrias da vida é poder andar por entre árvores e flores sem destino certo. Das nuvens, apenas alguns resquícios. Chuva, nem vê-la. Um Sábado perfeito. Nem que seja por alguns minutos, tudo é harmonia e serenidade.

Como nem só de calma e comida vive o Homem, nenhum programa nas Caldas da Rainha pode estar completo sem uma passagem pela loja da fábrica de faianças Bordallo Pinheiro. É na cultura e na tradição de uma posição crítica que se desenha a história da fábrica e das criações de Raphael Bordallo Pinheiro. Gosto muito de algumas coisas e menos de outras. Enche-me de felicidade que a fábrica tenha encontrado uma nova vida depois de tantos percalços. É que as suas andorinhas que anunciam a Primavera e as rãs que povoam os lagos são legados de uma vida (muito) portuguesa.

Fábrica Bordallo Pinheiro, Caldas da Rainha

Pratos, taças, chávenas, tigelas, travessas e outras peças. Cores sobrepostas em pilhas de desenhos diversos. Estrelas, couves, folhas, tomates, alfaces, abóboras ou meloas. Apetece trazer dois de cada. Nada que os armários lá de casa possam albergar. Como consolação, meia dúzia de peças. Escolhidas a dedo. Roxas e verde água. Levadas num saco com uma rã gravada a verde. Loiças bonitas e muita vontade de voltar. No palato e na memória, um certo gelado de chocolate amargo. O mesmo que tinha de ser replicado, já em casa, com resultados muito aceitáveis.

Flores vermelhas // Red Flowers
Gelado de chocolate amargo // Dark Chocolate Sherbet



Sherbet de chocolate amargo
A partir de uma receita de David Lebovitz

faz cerca de 750 ml

500ml leite gordo
100g açúcar
pitada de sal
50g cacau de boa qualidade (Valrhona)
115g chocolate amargo, picado
1/4 colher (chá) extracto de baunilha
2 colheres (sopa) licor de café (Tia Maria)

Misture o açúcar, sal e o cacau numa pequena caçarola. Adicione metade do leite, mexendo com uma vara de arames para evitar grumos. Aqueça e deixe ferver, enquanto mexe. Retire do lume e junte o chocolate, a baunilha e o licor. Acrescente o restante leite. deve obter uma mistura homogénea e lisa. Refrigere 6 horas ou de um dia para o outro. Proceda de acordo com as indicações da sua sorveteira.

Sirva sobre um crepe com molho de frutos vermelhos.

------

Maratona
Praça 25 de Abril, nº 15
2500-110 Caldas da Rainha, Portugal


loja da fábrica Bordallo Pinheiro
Rua Rafael Bordallo Pinheiro, nº 53
2500-246 Caldas da Rainha

9 comentários:

  1. Que dia tão bem passado.
    Fiquei com vontade de voltar às Caldas. Para conhecer "essa Maratona" e para matar saudades da loja da fábrica...
    Beijos
    Babette

    ResponderEliminar
  2. O meu reino por essa meia dúzia de peças. Aceitas? Um beijinho

    ResponderEliminar
  3. ai está uma maratona que eu não me importaria nada de correr.. =)

    ResponderEliminar
  4. Desconhecia o Maratona. Mas irei certamente experimentar assim que voltar às Caldas. Aconselho o Charbonnade da Rainha... onde o próprio cliente grelha a carne na mesa, tendo a possibilidade de escolher alguns sabores muito exóticos. Ahhh, so recomendado a quem gosta de carne.

    ResponderEliminar
  5. Fiquei encantada com este post,ou não fosse eu uma caldense,uma adepta do Maratona,que foi o meu café dos tempos de estudante,explorado pela geração anterior.Hoje continua a ser um dos meus preferidos.Qto ao resto parque D. Carlos I e faianças,sem comentários.Só mesmo quem visita pode sentir o encanto e magia.Obg pela visita a esta simples cidade que tem sido tão maltratada por quem cá manda.

    ResponderEliminar
  6. De repente, mais que de repente, isto fez-me lembrar alguém :) Um belo dia, sim senhora!

    ResponderEliminar
  7. Um dia bem passado e com boa comidinha. Já te disse que adoro as rãs que estão no topo da página? hehehehe Só por elas estava capaz de me deslocar às Caldas :)
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  8. Tal como tu, gosto muito de algumas das peças das Caldas, de outras nem tanto, visitar a fábrica seria cair em tentação! A tua sobremesa está muito apetecível, mais uma tentação! :-)

    ResponderEliminar
  9. É sem duvida um restaurante muito bom, já lá fui umas quantas vezes e recomendo, aconselho também o mercado ao ar livre pois além de se poder escolher, provar, é tudo muito fresco e barato.
    Tenho orgulho em ser de cá.

    ResponderEliminar

Obrigada pelo seu comentário!