1.7.11

Roma Bella e outras histórias

Roma Bella

Todos os caminhos vão dar a Roma. Todos, à excepção dos meus. A minha história de amor não correspondido com a capital italiana começa quando eu tinha 7 anos. Foi o ano em que os meus pais fizeram uma primeira grande viagem sem mim e o meu irmão. Foram a um país em forma de bota e a uma cidade chamada R-O-M-A. Dedos pequeninos sobre o mapa a percorrer a distância entre Évora, a nossa cidade, e Itália. Era muito longe. Mesmo assim posso ir? E lá vieram as explicações que alguém tinha de tomar conta dos gatos e dos cães. E dos avós. E ir à escola e outras coisas mais. Fiquei, claro. Mas sob protesto. Exigi muitas fotografias, um livro sobre Roma e vários boiões pequeninos de compota. E têm de ser de sabores diferentes! O meu irmão, mais preocupado com outras necessidades, pediu uma ambulância. Um e outro já com as suas prioridades bem definidas. No regresso, vimos os desejos satisfeitos. O meu livro era em castelhano (o que deu direito a um franzir de nariz) e os boiões eram só três. Desconfio que a ambulância do meu irmão, que fazia tinonin, era made in Portugal... Mas não tenho provas. O melhor foram as fotografias (que demoraram mais uma semana a revelar) e que nos fizeram viajar por lugares nunca vistos e outros quase reconhecíveis. Oh mãe, afinal Roma também tem um Templo como o nosso!

Não fui aos 7, nem aos 17 (altura em que o meu coração pertencia a Londres). Também não fui aos 27 (o meu "Período Espanhol") e antes que os 37 apareçam por aí, achei melhor ir agora. Encantei-me com uma Roma obscura, com as fachadas em ocre e alaranjado, com o chão empedrado e com a língua. Eu podia ouvir falar italiano um mês inteiro sem nunca deixar de sorrir!

Roma em volta do Campo d iFiori



E podia comer pizza e pasta durante semanas sem me fartar. E gelados e tiramisú e zuppa inglese. O que pensando bem, não é nada boa ideia. Aliás, a comida italiana é uma tentação. Pena que tenha sido inventada para quem fala muito, gesticula muito, corre muito, ri muito e que não se compadece com quem não tem um "motor de alto débito" que consuma todas as calorias ingeridas em refeições que começam com antipasti, têm primi piatti, secondi com contorni e assim por diante, num nunca mais acabar de pratos cheios de coisas boas. Felizmente também há uma Crema fredda di Pomodoro Biologico con Stracciatella di Burrata, Basilico e Crostini di Pane Artigianale, que é como quem diz sopa de tomate fria. (Grazie querida Carlota pela dica!)

Obiká Mozzarella Bar, Roma

Se a isso chegássemos, também podia caminhar sem destino pelas ruas dos bairros mais residenciais como o Testaccio e ficar no jardim a ver os miúdos jogar à bola. E sentar-me nos bancos onde os vizinhos põem a conversa em dia e rir-me à socapa dos rapazes da pizzeria que comem descansadamente gelados enquanto os clientes esperam. Ou perder-me nos jardins da Villa Borghese e fazer a rua das magnólias para cá e para lá numa conversa interminável sobre tudo e sobre nada. E se tivesse mesmo de ser, até passava pela coluna de Trajano e pelo Forum Itálico, sempre repletos de gente. E carros. E scooters. Todos em velocidade máxima. Só para me esconder nas ruas do Monti, um dos bairros mais em voga, e almoçar no L'Asino d'Oro.

Magnólias e colunas

Podia até andar de metro e de eléctrico para chegar a uma das zonas mais residenciais da cidade onde nasceu o museu MAXXI, um projecto de Zaha Hadid e o Auditório Parco della Musica do arquitecto Renzo Piano. Ou andar de Fiat 500 e sorrir aos sinais intervencionados por todo o centro histórico. Podia e foi o que fiz. Agora quero apenas retornar qualquer dia. Espero pelos 47?

Roma antiga e actual // Old and new Rome

15 comentários:

  1. Andar de Fiat 500 em Roma, que louco, romântico, fantástico! Adorei.
    Um beijinho.

    ResponderEliminar
  2. Os pedidos aos 7 anos já anunciavam muita coisa boa. :)
    Tb nunca fui a Roma, ando em falta com o país da bota, mas com todas estas sugestões, apetece-me mesmo calçá-la. :))
    Bjs

    ResponderEliminar
  3. Querida Suzana: adorei a tua descrição de Roma. Entusiasmente. Envolvente. Fui a Roma aos 12, aos 22 e aos 32...mas até hoje nunca me tinha apercebido desta coincidência! Não esperes pelos 47...eu quero lá voltar antes dos 42! Um beijinho e bom fim-de-semana

    ResponderEliminar
  4. Já fui 3 vezes a Roma. E fico sempre com a sensação de querer voltar. A Piazza della Rotunda (com o Panteão) e a Fontana de Trevi são os meus lugares preferidos. E as buganvílias nas paredes ocres, e os gelados, e as vozes, e os lugares de outros tempos... Tudo isso e muito mais é Roma. Por isso não esperes pelos 47...
    Babette

    ResponderEliminar
  5. Fantástico!! Não sabia que era de Évora!!Alentejana...:)
    E esteve no Forum!! Lugar emblemático para um Gourmet ...Repare o FORUM de Plautus :Fórum Cuppedinis-mercado iguarias ; Fórum Piscarium-mercado de peixe a norte do FORUM; Fórum Suarium- mercado de porcos...na Roma Antiga..AH! e Forum Coquinum- lugar onde se juntavam todos os cozinheiros, da altura, no final do seu trabalho à espera para serem contratados!!! Adorei a "viagem" aqui escrita!

    Cristina Lebre
    Alentejo

    ResponderEliminar
  6. estou com uma pequena grande inveja de todo este relato =)

    ResponderEliminar
  7. Pois eu fui este ano em Maio e fiquei um pouco desiludida, não com a cidade mas com as pessoas...sempre achei que iam ser amistosos, receptivos, anfitriões...mas ou eu tive muito azar ou então como Roma não deixa de ser uma cidade e a capital "obriga" as pessoas a ser menos "italianas". E para mim mais do que a cidade, o importante é o ambiente, as pessoas porque é daí que trago as melhores recordações.

    ResponderEliminar
  8. Minha Querida,

    Fico feliz que tenhas gostado da "minha" cidade do coração :) Roma é fascinante e envolvente, vais quere voltar muitas vezes com certeza ;)

    Beijinhos Grandes!
    Carlota

    ResponderEliminar
  9. Quero muito conhecer Itália, sempre quis, não se bem porquê mas adoro a língua, o gesticular, a comida... ai, os homens italianos ;) Quem me dera lá ir... bem que podia ser aos 30 ou 37, eu sou paciente.

    ResponderEliminar
  10. A viagem deve ter sido espectacular... imagino que te tenmhas perdidos pelas ruas e ruelas... pelos museus e esplanadas .... Que sonho tão bem vivido aos ...7 =) beijinhos

    ResponderEliminar
  11. Querida, que linda leitura! tu escreves tão lindamente, sempre amo ler os teus posts. Me senti nostalgica desta viagem a Roma que nunca fiz..só pela força das tuas palavras.

    ResponderEliminar
  12. Fui a Roma a primeira e única vez na minha lua de mel, há 14 anos, vim de lá ainda mais apaixonada, a cidade é linda e suscita paixões! Gostava de lá voltar!

    ResponderEliminar
  13. eheh!
    Como faço parte da História , cá vai...
    A questão da "Dinonim" é mais rebuscada.

    A verdade, é que os nossos progenitores (quase que aposto que foi a Nossa Mãe!), embuidos do espírito de poupança.Não lhe deve ter agradado o Preço em liras (?)...Preferindo gastar uns quantos escuditos, na mais antiga loja de brinquedos da Cidade de Évora: Sr. PORTO!...
    Por ultimo a dinonim, a famosa ambulância, era (e é!) Made in Italy...

    Rebuscado, não é?

    Um Beijo Mana

    ResponderEliminar
  14. Já fui a Roma três vezes e adoro! Mas espere até conhecer Florença... Aí sim, Itália e os Italianos em todo o seu esplendor!
    AD

    ResponderEliminar
  15. O país da bota desde a adolescência era o meu sonho. Demorei a realizar, mas o fiz muito feliz da vida. Entrei cantando no coliseu...rs! Quanta história!
    E tantas outras cidades encantadoras tem esse país.
    Muito boa sua forma de nos conduzir pelo desejo de ir à Roma.
    Boa semana!

    ResponderEliminar

Obrigada pelo seu comentário!