15.2.13

{alhos e bugalhos} Borboletas, cenouras e os pequenos-almoços

Filhoses de forma

Hoje não tenho receitas e quase não sei como começar. Trago uma amálgama de temas com pouco ou nada em comum. Ilustrações de uma semana que passou. Pontas soltas de histórias que não acabei de contar e que não garanto acabem hoje. São escolhas perdidas de uma mente em reboliço. Fotografias sem receita. Receitas não rabiscadas. Rabiscos de outros. Pessoas queridas que trazem pratos e taças cheios cujo conteúdo nunca passa por aqui. Lugares e momentos que não são contados, que não têm tempo de antena, que ficam esquecidos entre as centenas e milhares de fotografias que documentam o nosso dia-a-dia. As idas ao mercado e o que chega connosco. Os pequenos-almoços. Isto e aquilo. Tudo e nada. Alhos e bugalhos.

Da vontade de manter um registo, uma quase lembrança, nasce este ramalhete de factos.

galinha mercado

❀ As borboletas e flores foram feitas pela minha mãe. São filhoses de forma. Para o Carnaval. Porque é tradição. Porque nos lembram a todos de outros carnavais. Porque não há melhor forma de preservar a memória que manter tradições de família. As filhoses são perfeitas com mel a escorrer por entre os dedos. E não me perguntem, porque eu (ainda) não sei fazê-las. Fico-me pelos sonhos.

❀ ❀ Fruto da ida semanal ao Mercado Biológico do Princípe Real, um tabuleiro de aipo, cenouras com rama e romanesco. Aquela vontade de ter na mão uma tigela de sopa de raiz de aipo com maçã. No mercado o plano era uma salada ralada de raiz de aipo, à Francesa. Com cenouras. A tentação do retorno aos terrenos conhecidos foi, desta vez, mais forte.

❀ ❀ ❀ Monotonia ao pequeno-almoço? Talvez se o tempo não o permitir ou a preguiça vencer. Há meses atrás (mais precisamente em Maio do ano passado), fotografei 15 pequenos-almoços para o projecto 365 breakfasts a year, que foram sendo publicados pela Alpro. Muitos não passaram por aqui. Ou porque não têm uma receita, ou por a receita já cá estar. Um dia destes pu-los ao lado uns dos outros e fiquei a pensar que as possibilidades são infinitas.

my breakfasts

as receitas:
Tapioca com alperces secos e lavanda
Ovos 'en cocotte'
Panquecas de limão e sementes de papoila
Crepes de chocolate, cerejas e iogurte
Rabanadas com mirtilos
Crumble de ruibarbo e avelãs
Clafoutis de cerejas

5 comentários:

  1. de repente fiquei com vontade que fosse de manhã para poder tomar um desses pequenos-almoços :)

    ResponderEliminar
  2. Gostei imenso da primeira foto. Por cá, nos Açores, chamamos-lhe Rosas do Egito. A minha mãe também tem os ferros e as mesmas formas: de borboleta e de flor. Ficaram lindas. Este ano, fiquei-me pela tradição dos coscorões. Adoro massas fritas.
    A ida ao mercado trouxe excelentes resultados. Também tenho o costume de ir semanalmente ao da cidade de Angra. É algo que me revigora.
    Um abraço.
    Patrícia

    ResponderEliminar
  3. Que belas sugestões para pequeno almoço! Adeus monotonia!
    E essas filhoses são lindas!

    ResponderEliminar
  4. Queridal, ao ver a primeira foto já fiquei me perguntando o que seria. Acho que temos algo assim no Brasil. Preciso falar com a minha mãe para perguntar. Mas a imagem me trouxe lembranças. .

    ResponderEliminar
  5. Está um post lindo ;)))
    Cheio dos pequenos nadas que nos dão dias felizes!
    Babette

    ResponderEliminar

Obrigada pelo seu comentário!