8.4.13

{Na Rota dos Cafés} Trieste e strudel de maçãs e alperces

Trieste, strudel com maçãs e alperces

São viagens imaginárias, convites a partir para longe sem sair do lugar. Meto o nariz numa chávena de café e lá vou eu. Parto, tantas vezes sem destino, em busca do sabor perfeito na memória escondida de viagens passadas. Quero ir mesmo que a viagem dure apenas uma chávena de líquido quente e um dedo de creme. Mesmo que depois fique um vazio no sítio onde antes nada havia. É que quando se prova algo especial, é um caminho sem retorno.

Tenho saudades de sítios onde nunca estive e daqueles onde quase cheguei. Trieste, em Itália, é um deles. Há uns anos fiquei literalmente a um par de quilómetros e agora foi lá que "voltei", numa chávena de café Nespresso Limited Edition e numa fatia de strudel.

Trieste Nespresso

Vi-me de volta aquela Primavera em que uma passagem pela Eslovénia quase me levou até Trieste. Não aconteceu. Fiquei-me pelo Adriático que banha a costa e pelo azul a perder de vista. É por lá que passa desde sempre a Rota dos Cafés, quando o movimentado porto de Trieste recebia todo o café que abastecia Viena e o Império Austro-Húngaro.

Em Itália faz-se um espresso como em poucos sítios no mundo. A cultura do café está enraizada e é coisa séria para baristas e consumidores. Se alguém sabe tudo sobre o caffè espresso perfetto são os italianos. Na Rota dos Cafés, a homenagem a Itália é não apenas merecida como incontornável. Trieste é, a Norte, um exemplo da importância geográfica e cultural da Itália na história do café na Europa.

E o que é que acompanha um expresso? Fruto da proximidade com a Áustria e a Eslovénia, os bolos e doces locais reflectem um percurso onde se encontram tartes e tortas recheadas, como o strudel. Foi uma fatia com sabor a maçã e passas que veio fazer companhia à minha chávena de Trieste, na apresentação desta edição limitada da Nespresso.

{Dia 12 de Abril, entre as 16h00 e as 18h00, a Nespresso organiza um workshop de harmonização entre cafés, vinhos e sobremesas na 6ª edição do Peixe em Lisboa, com inscrição gratuita a todos os visitantes do Peixe em Lisboa}

Strudel de maçãs e alperces

Strudel é um bolo tradicional Vienense, normalmente recheado com maçã, muito popular em diversos países da Europa. Em Trieste, representa a convergência das culturas alemã, eslava e latina e, não sendo o típica sobremesa italiana, faz parte da tradição da cidade. Acompanha um café curto Trieste, que para mim é bebido "nero" mas que dizem os entendidos pode ser tomado cortado com leite. Nesse caso peça-se um "capo".

A minha receita de strudel é muito simples. Gosto de usar alperces secos e cranberries, que têm maior acidez, e maçãs Granny Smith, que mantêm a sua forma e têm um travo a verde que funciona bem com os restantes sabores. A massa pode ser feita em casa mas é trabalhosa. Pode ser substituída com muito bons resultados por massa philo. É servida polvilhada com açúcar em pó, simples ou acompanhada de gelado ou um crème anglaise .

De Trieste, parto para um novo destino na Rota dos Cafés: Nápoles. É lá que me espera um novo café e uma nova sobremesa, muito diferente desta. Qual será?

Strudel de maçãs e alperces
Strudel



Strudel de maçãs e alperces

serve 6-8

2 folhas massa philo 30x40 (cerca de 75 g)
50 g manteiga sem sal
4-5 maçãs Granny Smith (cerca de 600 g), descascadas e cortadas em cubos
8 alperces secos, picados grosseiramente
2 colheres (sopa) cranberries secos (ou passas)
1 laranja pequena, sumo e raspa
85-100 g açúcar amarelo (dependendo da acidez das maçãs usadas)
1 colher (chá) canela
2 colheres (sopa) água
1 fatia de pão, grande e sem côdeas, triturado finamente
açúcar em pó, para servir

Misture a raspa da laranja com o açúcar e reserve. Numa tigela pequena, coloque os alperces e os cranberries, cubra com o sumo da laranja e deixe hidratar durante 30 minutos. Leve um tacho com as maçãs, a canela, a água, uma colher de sopa de manteiga e a mistura do açúcar ao lume. Coza as maçãs até ficarem macias (8 minutos) mas sem ficarem em puré. Junte os alperces e os cranberries e o sumo que ainda restar. Deixe levantar fervura e retire do lume. Acrescente o pão e mexa para misturar bem. Reserve até arrefecer completamente. O recheio deve ficar sem líquido nenhum.

Pré-aqueça o forno a 180ºC. Prepare um tabuleiro com papel vegetal ou um tapete de silicone. Derreta a manteiga que resta.

Trabalhando rapidamente, estenda uma folha de massa philo e pincele com manteiga. Coloque a outra folha por cima e repita a operação. Disponha o recheio no sentido do comprimento, deixando 2 dedos de cada lado e em baixo. Dobre a massa do lado direito e do lado esquerdo sobre o recheio e pincele o rebordo com manteiga. Dobre em baixo e faça a mesma operação. Cuidadosamente, role o strudel de baixo para cima e vá pincelando com manteiga à medida que vai enrolando. Procure que fique fechado para não verter. Pincele novamente e leve ao forno 15-20 minutos ou até a massa ficar dourada.

Sirva morno, polvilhado com açúcar em pó, simples ou com um crème anglaise ou gelado de baunilha.

11 comentários:

  1. Gosto de um bom strudel. Foi doce que ainda não tentei fazer, mas sou fá da combinação da massa leve e fina com o recheio de frutas ácidas. O café, só mesmo cheirá-lo, com grande pena minha :(

    ResponderEliminar
  2. Está perfeito, a combinação dos ingredientes está fantástica, adorei! beijos

    ResponderEliminar
  3. Olá Suzana
    Uma viagem de facto!E tens razão, não há melhor café do que em Itália. Um dos melhores que bebi foi em Bergamo.
    A nomeação na Vogue muito, muito merecida e felizmente em boas companhias ;)
    Uma boa semana!
    Guida

    ResponderEliminar
  4. Que delícia de strudel!
    O café, hum...., adoro! Sou viciada em café!

    ResponderEliminar
  5. strudel e café faz-me lembrar o filme "sacanas sem lei"
    deve ter ficado uma delicia!

    ResponderEliminar
  6. Muito, muito, muito bom. Esta não me vai escapar.
    A próxima será Casatiello?
    Beijinho
    Maria

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Por acaso, não é. Mas podia! ;)

      Um beijo*

      Eliminar
  7. Passeamos contigo... e quase que dá para sentir os aromas...
    Babette

    ResponderEliminar
  8. Que lindas palavras! Deveria escrever um livro. Eu compraria! ;)
    O seu strudel ficou dos Deuses de certeza.

    Beijinhos e bom fim de semana;

    Aurea Sá

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada pela simpatia, Aurea! :)

      Um beijo*

      Eliminar
  9. Oh minha amiga, aqui me encontro outra vez, viajando nas tuas palavras, tão bem escritas e escolhidas. Já há uns dois anos fiz um curso em que aprendi a fazer strudel .From scratch. Ainda quero fazer em casa, pois o processo é tão relaxante. Aprendi com um austríaco. Adorarei saber desta harmonizacao se tomares parte.

    ResponderEliminar

Obrigada pelo seu comentário!