27.2.14

A paixão pelo vinho e o Wine Club Portugal

Curso de Vinhos, Wine Club Portugal

Das muitas razões para fazer do vinho o centro das atenções, fico-me pelas paixões suscitadas e pelo gosto da partilha. Como qualquer admirável mundo novo, é o muito que há para descobrir e aprender que me move. Num final de tarde de chuva, eis-me atrasada e em passo apressado em direcção ao Hotel Tivoli. Vou ao encontro do Wine Club Portugal para um Curso de Vinho destinado a principiantes.

Bloco de notas, caneta, câmara, acção.

Pronta para (quase) tudo e de sentidos despertos, vou retendo tudo o que posso entre muita informação, descrições e exemplos até à prova de vinhos. Na primeira sessão, de duas que compõem o curso, são os brancos que tomam a dianteira e compõem a totalidade dos vinhos provados. Numa sala em que a maioria se confessa fã de tintos, esta quase provocação consegue o sorriso de muitos.

Curso de vinhos, WIne Club Portugal Curso de vinhos, WIne Club Portugal Curso de vinhos, Wine Club Portugal

Um vinho é resultado de muitas vontades e prerrogativas: as raízes, a terra, o clima e as pessoas. Da vinha para adega até ao vinho, lá vou conduzida pelos conhecimentos, experiência e boa disposição do engº Mário Louro. A sua enorme paixão pelo vinho está presente nas palavras, escolhidas com rigor, e na atitude quase irreverente de quem sabe de cor todos os caminhos. É a capacidade de explicar as diferentes dimensões do vinho, tornando-o inteligível para quem como eu ainda tem muito a aprender, que me acompanha ao longo das horas.

Num ápice, termina a primeira sessão. Passaram-se 3 horas e eu sinto que acabei de chegar. Ciosa do meu novo vocabulário, revejo mentalmente a prova organoléptica, penso de novo na importância do terroir e encanto-me com o bouquet do vinho.

Na memória, feita também de emoções, levo um Sauvignon Blanc & Verdelho 2011 da Casa Ermelinda Freitas. A conquista do dia é que sei dizer porque gosto deste vinho. É elegante, floral com notas de vegetal e tem uma acidez correcta. A minha câmara não captou para a posteridade a sua presença, mas pouco importa. Para a sessão do dia seguinte, a segunda, ficam prometidos os tintos e umas quantas surpresas.

Curso de Vinhos, Wine Club Portugal

Sessão número dois. Novo dia e a mesma chuva. Nada que nos demova, após um dia de trabalho, de seguir a paixão pelo vinho. Entusiasmados, tentamos adivinhar o que nos espera. Perfiladas, as garrafas contam pouco daquilo que contêm. Estão todas cobertas e algumas não têm gargantilhas para que não possamos identificar os vinhos. Das perguntas que tínhamos de trazer de casa, é o tema da madeira que fica em foco. Rabisco notas e mais notas no meu bloco. Fico curiosa com o efeito que a madeira traz ao vinho.

De novo, cabe aos brancos abrir a festa. Começo a conseguir identificar os diferentes aromas e a distinguir as pequenas nuances de cor. Honra seja feita aos brancos, ninguém sentiu falta dos tintos. Quando estes chegam é a surpresa de encontrar novas castas, algumas portuguesas, que me deixa a pensar na riqueza que é possuir tanta variedade. Os meus pensamentos são interrompidos pela chegada de um vinho velho. Quando eu achava que não podia ficar mais complexo, eis que tudo o que sabia sobre cor e aroma leva um abanão. Como os brancos, os vinhos velhos também merecem outra atenção por parte dos consumidores. Por mim, comprometo-me a tentar. Quando se acaba de provar um vinho com a nossa idade, há também uma ou outra emoção a contribuir para a história. Porque a relação que se estabelece com um vinho é todo um entrelaçar de sensações e sentimentos. Como deve ser.

Curso de vinhos, WIne Club Portugal Curso de Vinhos, Wine Club Portugal Curso de vinhos, WIne Club Portugal

É no rótulo do Solar dos Lobos Syrah 2011 que fica plasmado um amor maior, numa mais ou menos literal representação do que um vinho tem de trazer a quem o bebe. É um vinho com corpo e alma, completo. Mais notas tomadas e a promessa de investigar a enóloga Susana Esteban, com cujos vinhos me tenho cruzado recentemente. Com o vinho seguinte a chegar, uma nova descoberta. Conseguem adivinhar a região? Quando eu achava que estava a fazer progressos, um novo desafio. Neurónios activos, revisão da matéria dada, prova. Vou pensando. É um vinho onde a madeira vem acompanhada de fruta vermelha, a lembrar chocolate e com boa acidez. Consigo excluir o sul mas não me atrevo a mais. Da região do Tejo, este Quinta da Badula Reserva 2010 havia de ser servido ao jantar. Mais um rótulo que merece atenção.

Ainda a processar informação, a próxima questão. Como combinar um vinho com um prato? O ponto último no programa do curso é mais uma caixa de Pandora. não por de lá saiam todos os males mas porque, de novo, se introduzem mais variáveis. Falamos dos erros mais comuns, da dificuldade de harmonizar um queijo de pasta mole (e com gordura) com um vinho. A solução está na acidez. Razão de sobra para olhar de novo os brancos, em detrimento dos tintos. Com o tempo a passar a correr, a segunda sessão do curso passa para a mesa de jantar do restaurante Brasserie Flo. Novo quebra-cabeças. Ostras. Bife tártaro. Que vinhos escolher?



Curso de Vinhos, Wine Club Portugal Curso de Vinhos, Wine Club Portugal Curso de Vinhos, Wine Club Portugal

Sem partir para uma receita infalível, que não existe, é preciso analisar com cuidado os componentes, aromas e texturas do prato e depois definir o perfil dos vinhos que melhor podem combinar com este. De evitar com as ostras, os taninos que acentuam o seu sabor metálico. Já o bife tártaro, repleto de sabor e condimentos, pede um vinho com corpo. Para a tarte de maçã, à sobremesa, brindamos com espumante. Porque é preciso celebrar dois dias de aprendizagem e partilha, tudo graças a uma paixão comum e a um clube do vinho.

Como diria Luís Fernando Veríssimo, "Beba vinho para o espírito e para a boa digestão, beba vinho na festa e beba vinho na solidão, beba vinho por cultura ou por educação, beba vinho porque... Bem, encontrará uma razão".

--
leia também:
O clube do vinho, na Marmita Lisboeta

4 comentários:

  1. Bem Suzana isso e que foram 2 dias de aprendizagem...eu adorava ir a um curso desses, pois sou grande apreciadora de vinho, mas posso dizer que pouco ou nada sei...sou movida pelo meu instinto e as vezes pela vontade de descobrir novos sabores e aromas.

    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Cara Cacahuete,

      O Wine Club Portugal já tem disponível a próxima edição deste curso nível 1. Saiba mais em www.wineclubportugal.pt.

      Eliminar
  2. A foto do Eng.º Mário Louro chamou-me a atenção de imediato.
    Já trabalhei tanto com ele, há muito, muito tempo e nunca me hei-de esquecer de como me perdia a ouvi-lo.
    Quem é que se lembrava que era suposto estar a trabalhar quando havia tanta informação interessante para absorver? Sim, ele tem o dom de passar as palavras dele através de outros sentidos. Não estão apenas os ouvidos a captá-lo.
    Foi com ele que aprendi a apreciar o vinho e a conjugá-lo com os alimentos.
    E foi com ele que aprendi a falar de vinho.
    A degustação passou a ter um sentido especial para mim.
    E continuando a ler o post, encontro uma referência à Quinta da Badula.
    Ainda não tive oportunidade de degustar os vinhos dessa quinta e é uma verdadeira vergonha. Afinal esses vinhos são produzidos na minha terra.
    Há que corrigir esta falha com urgência. Prometo :)

    ResponderEliminar
  3. Estou deliciada Suzana. Também gostava imenso de aprender mais (eu que nada sei!) sobre vinhos e tenho pensado bastante no assunto principalmente no que toca à sua harmonização com a comida. É todo um novo mundo de descobertas para alcançar, não é? :)

    ResponderEliminar

Obrigada pelo seu comentário!