19.4.22

De Costa a Costa e os clássicos do Alma de Henrique Sá Pessoa

De Costa a Costa e os clássicos do Alma de Henrique Sá Pessoa

O dia está frio, triste e húmido quando tocamos à porta do Alma. Lá dentro, as boas-vindas são calorosas, há um bulício organizado e a energia no ar mostra que o almoço está em plena preparação. Chegar a um lugar bonito, com a perspectiva de reencontrar a cozinha de Henrique Sá Pessoa, é suficiente para esquecer o Inverno meteorológico e pandémico que fica lá fora.

Passar todos os dias na Rua Anchieta faz com que o Alma seja uma espécie de vizinhança, um espaço conhecido e, ao mesmo tempo, símbolo de momentos especiais e celebrações. A vida adiou a nossa visita quase um ano mas quando nos sentamos na sala de dentro todas as promessas de melhores dias se tornam reais.

De Costa a Costa e os clássicos do Alma de Henrique Sá Pessoa
De Costa a Costa e os clássicos do Alma de Henrique Sá Pessoa

Na hora de escolher, contamos com a preciosa ajuda de um serviço discreto mas sempre atento que nos recomenda escolher os dois menus. Optamos por fazer uma viagem bipartida pelos menus Costa a Costa e Alma que, se não permite roubar o prato alheio, deixa pelo menos os olhos passear por paisagens distintas e aromas muito diferentes. De um lado, o mar português servido à mesa e, do outro, o revisitar de pratos clássicos que fazem a história do restaurante.

Para começar, é tempo de amuse-bouche. Literalmente, um conjunto de provocações que divertem as papilas gustativas e activam a vontade de querer provar mais. Dos sabores, que tocam diversos registos, à componente da experiência e à evocação de ambientes e memórias presentes e passadas, tudo se sucede com ritmo adequado e explicação q.b. Mas o mais surpreendente estava guardado para mais tarde.

De Costa a Costa e os clássicos do Alma de Henrique Sá Pessoa
De Costa a Costa e os clássicos do Alma de Henrique Sá Pessoa

menu COSTA A COSTA

Ou como homenagear o mar português numa ode ao peixe e marisco da nossa costa

Do salmonete ao pregado passando pelo carabineiro, é um e outro mergulho sem lugares comuns ou cansaço no registo (mais) mono-temático do peixe. Para a eternidade, o incontornável Mar e Citrinos 2.O, sorbet de yuzu, algas cristalizadas, curd de citrinos.

De Costa a Costa e os clássicos do Alma de Henrique Sá Pessoa
De Costa a Costa e os clássicos do Alma de Henrique Sá Pessoa
De Costa a Costa e os clássicos do Alma de Henrique Sá Pessoa
De Costa a Costa e os clássicos do Alma de Henrique Sá Pessoa
De Costa a Costa e os clássicos do Alma de Henrique Sá Pessoa


menu ALMA

Ou como os clássicos são sempre uma aposta certa.

Das cenouras (excelentes) ao foie-gras, com tempo para o bacalhau e o leitão, numa viagem por sabores da tradição que são contudo totalmente novos. Na memória, o misterioso limpa-palato com figo e caril num diálogo que deu que pensar. As despedidas ou petit-fours, para acompanhar o café, em tons de abóbora, chocolate e pastel de nata deixam saudades.

De Costa a Costa e os clássicos do Alma de Henrique Sá Pessoa

De Costa a Costa e os clássicos do Alma de Henrique Sá Pessoa

De Costa a Costa e os clássicos do Alma de Henrique Sá Pessoa

De Costa a Costa e os clássicos do Alma de Henrique Sá Pessoa

De Costa a Costa e os clássicos do Alma de Henrique Sá Pessoa

De Costa a Costa e os clássicos do Alma de Henrique Sá Pessoa

De Costa a Costa e os clássicos do Alma de Henrique Sá Pessoa

Alma
Rua Anchieta, nº 15, Chiado
1200-023 Lisboa

Sem comentários:

Enviar um comentário

Obrigada pelo seu comentário!