18.3.11

Doce de laranja doce ou um amor incompreendido por marmalade

Doce de laranja // Marmalade

Não me lembro da primeira vez que comi marmalade. Não sei se gostei ou não. Foi há muito tempo. Na memória, uma vaga impressão de estranheza e um novo olhar sobre as torradas que em cada manhã da minha vida têm povoado a mesa de pequeno-almoço desde que me conheço. Este não é um sabor que agrade a todos. Na verdade, ou se adora ou se detesta. Ninguém fica indiferente. Cá em casa sou a única a apreciar marmalade. A minha laranja amarga e doce dispensa. Pão quente (ou scones), manteiga a derreter e uma colher de doce espesso e texturado a descer vagarosamente até ao prato. Narizes torcidos, esgares e um olhar horrorizado. Nada como perguntar antes de oferecer.

Tradicionalmente a marmalade é feita com laranjas amargas (Seville oranges). Daí o rácio ser de 2 partes de açúcar para 1 de fruta. Como este doce utiliza laranjas doces, a quantidade de açúcar pode (e deve) ser menor. Outra diferença tem que ver com o nível de pectina. As laranjas amargas são muito ricas nesta substância (responsável pela gelificação) e que existe em menor percentagem nas laranjas doces. É imprescindível a adição de limão e do líquido resultante da parte branca e dos caroços das laranjas, onde se encontra maioritariamente a pectina. Pode perfumar-se o doce com especiarias (eu usei canela como a Margarida) mas o Sr. Nigel Slater sugere gengibre, menta ou mesmo nozes.

Doce de laranja // Marmalade



Doce de laranja doce
Adaptado ligeiramente de Elisabeth Lambert Ortiz, Compotas e Conservas

rende cerca de 3Kg

1Kg laranjas doces
2 laranjas amargas (ou 1 toranja)
1 limão
2l água
1,5Kg açúcar
1 colher (chá) canela (ou mais, a gosto)

Com um descascador retire a casca das laranjas e corte em juliana fininha. Esprema o sumo e coloque num tacho grande e alto juntamente com as cascas. Junte 1,5l de água e deixe ferver 5 minutos em lume brando. Num tacho à parte coloque as metades espremidas e os caroços. Deite 0,5l de água e deixe fervilhar até reduzir ligeiramente (10 minutos). Coe e adicione este líquido à mistura de cascas e sumo. Mexa à medida que acrescenta o açúcar e a canela. Aumente a temperatura e deixe ferver 10-15 minutos sem mexer. (É importante que o tacho seja largo e alto para não entornar, uma vez que neste processo de fervura o doce vai borbulhar e subir bastante).

Coloque um prato no congelador. Quando o doce estiver reduzido, use uma colher para retirar um pouco. Coloque sobre o prato e se formar uma película quando empurrado com o dedo (deixe arrefecer ligeiramente antes de testar), o doce está pronto. Ou use um termómetro de açúcar, que deve indicar 104ºC.

Deite o doce em frascos esterilizados, cubra com papel vegetal e feche imediatamente.

13 comentários:

  1. Suzana,
    Veio mesmo a calhar este post: tenho bastantes laranjas e este fim-de-semana queria fazer uma compota. Fico já com as dicas referentes á pectina que são muito úteis.
    Obrigada pela partilha.
    Beijinhos e um bom fim-de-semana.

    ResponderEliminar
  2. Muito delicado.
    Comê-lo com um pedaço de queijo, ficaria maravilhoso!
    Parabéns!

    ResponderEliminar
  3. Minha querida, a fórmula que segui foi quase essa mas usei 1/2kg de laranjas doces e 2 limões. Usei 2 paus de canela. Coloquei os caroços, parte das cascas e restos de polpa numa boneca de pano presa à asa do tacho durante a primeira parte da confecção (água + sumos).
    Só que necessitei de mais tempo para atingir o ponto e por isso acho que caramelizou....

    ResponderEliminar
  4. Que côr linda!!!Esse doce deve ser uma delicia!!!


    Bjokas
    Rita

    ResponderEliminar
  5. Então marmelade não é o mesmo que a marmelada em Portugal? Não é feito com marmelos?! Estou estupefacto!

    ResponderEliminar
  6. Margarida, este ano já não posso fazer mais. Estou servida. Mas para o ano faço assim. ;)

    Augusto, é verdade. Existem outras marmelades na Terra! Uma das versões da história diz que os Britânicos começaram a fazer este doce de laranja amarga no século XVIII quando um navio encalhou e estava carregado de laranjas. Chamaram-lhe marmalade porque a cor lembrava a "nossa" marmelada. Mas há outras versões, claro.

    Bom fim de semana!

    ResponderEliminar
  7. O Luis não resiste a um bom doce de laranja, como nunca fiz, sempre que vê algum que lhe parece bom, trás para casa. Eu também como se não for amargo, senão dispenso.
    Um beijinho e bom fim de semana

    ResponderEliminar
  8. O Luis não resiste a um bom doce de laranja, como nunca fiz, sempre que vê algum que lhe parece bom, trás para casa. Eu também como se não for amargo, senão dispenso.
    Um beijinho e bom fim de semana

    ResponderEliminar
  9. É exactamente o Tordo que me vem à lembrança quando olho para este doce :) Nunca provei mas parece-me que combina com o meu palato!

    ResponderEliminar
  10. Confesso que houve um doce de laranja (que na etiqueta não dizia que era de laranja amarga) comprado antes das minhas aventuras na cozinha que era tão mau, mas tão mau, que acabou no lixo :(. Depois encontrei uma marca (Zira Cadaval) cujo doce de laranja era maravilhoso, mas não se encontra sempre.
    Se for assim dos amargos não gosto, mas o seu parece tão maravilhoso que até era capaz de experimentar. ;-)
    Sandra

    ResponderEliminar
  11. Tenho pensado nisso tem dias, ainda não me decidi quanto ao sabor que quero fazer, mas ao que tudo indica, essa de laranja parece ser boa né? Vou tentar fazer e te aviso se ficou bom, ok?
    beijos

    ResponderEliminar
  12. Olá Suzana!
    A minha mãe sempre fez doce de laranja com as laranjas 'azedas' do nosso quintal, mas nunca fiquei muito fã. Depois deste post (e apesar do teu ser feito com laranja doce) vou dar-lhe uma nova oportunidade e encará-lo com um "novo olhar".
    Afinal, foi com as descrições dos lanches d' Os 5 que aprendi a gostar de leite simples e ovos cozidos...
    Um beijinho do Lume Brando

    ResponderEliminar

Obrigada pelo seu comentário!