5.6.18

Panqueca de grão e beringela (com rebentos de rúcula)

Panqueca de grão e beringela

Bem-vindo, Junho. Todos os anos, entre os desejos de um Verão que chega e um ano lectivo que acaba, desenha-se a mistura perfeita de sentimentos contraditórios. Mais luz, mais horas de claridade, menos tempo para as gozar. Porque os almoços continuam a fazer-se frequentemente de pratos vegetarianos e a necessidade de refeições nutritivas e retemperadoras pede sabores em harmonia, nada como recorrer às leguminosas e aos legumes da estação.

São as frutas que carregam a bandeira gulosa de Junho mas os legumes mudam também e é sempre um prazer voltar a ter beringelas e curgetes para cozinhar. O tomate há-de vir mais tarde e as ervas aromáticas estão mais perto do auge. Talvez seja a vontade de virar a página e escrever novos capítulos de um amor maior pelos vegetais ou apenas a gulodice do costume. A vida é demasiado breve para almoços aborrecidos!

Panqueca de grão e beringela
Panqueca de grão e beringela

Dos livros que me fazem companhia e a que volto uma e outra vez. Este de Nadine Abensur, sem fotografias, nem imagens, faz-me sempre partir para outras paragens em renovadas aventuras vegetarianas. É de lá que vem esta "panqueca" feita no forno, com raízes na farinata italiana, e cobertura de beringela. Fez-se almoço um destes dias em que tirámos do armário as camisolas que são farda por estes dias.

E enquanto não chega o calor, liga-se o forno. Usam-se os rebentos de rúcula que crescem no parapeito da janela da cozinha e engana-se a ânsia de um Verão que não vem com o doce possível de uns tomates cereja. Feliz Junho!

flores
Panqueca de grão e beringela

22.5.18

Da lata para o prato no novo restaurante da Loja das Conservas

Loja das Conservas, Lisboa

As conservas são fruto da paixão pelo mar que sempre marcou a cultura portuguesa e da capacidade de invenção de quem desenvolveu esta forma de preservação. A garantia que peixe chegava à mesa mesmo depois de ter terminado a campanha ou passados muitos meses depois da apanha fez das conservas um alimento popular. A Loja das Conservas reúne no mesmo espaço um conjunto extenso de produtores e uma sem número de latas onde o conteúdo é sempre promessa de mistério. Sardinha, cavala, petinga ou outro qualquer dos pequenos peixes que chega à lata contam uma história que hoje também se escreve com a conserva de moluscos, ovas ou mesmo do fiel amigo para todos os gostos e carteiras.

Se as conservas passaram a ser vistas como um símbolo de Portugal, o seu consumo mudou também. A vontade de provar e utilizar as conservas nas receitas do dia-a-dia fizeram com que a Loja das Conservas também se tornasse restaurante. Ou melhor, no plural, restaurantes! Agora nas lojas da Baixa e do Cais do Sodré também se pode explorar uma ementa que é, exclusivamente, construída em torno das conservas. A variedade e inúmeras possibilidades que se abrem no receituário fazem das Chamuças de Atum com Caril uma daquelas variações com tudo para dar certo. Aromatizadas com laranja e com adição de cenoura, é na massa que se ganha a perfeição destes embrulhos de sabor intenso.

Loja das Conservas, Lisboa
Loja das Conservas, Lisboa
Loja das Conservas, Lisboa

Seguindo os mesmos princípios de reinventar pratos a partir da utilização de conservas, os chefs André Palma e Tiago Neves foram buscar aos enchidos inspiração para a sua Morcela de Sangacho. De cura certa e todos os aromas presentes, a experiência de assar a morcela e comê-la às rodelas é aqui levada ao extremo num prato com muita piada. Para os amantes da tempura, é nas Sardinhas, Picante e Fumada, em Tempura de Limão com Molho de Iogurte e Pepino que se encontra uma utilização nova das conservas com os sabores de sempre. Mas o almoço havia de trazer mais surpresas, entre clássicos e outra pratos muito inovadores.

4.5.18

No Refeitório do Senhor Abel há pizzas para todos

Refeitório do Senhor Abel

Não fosse o Norte continuar no mesmo sítio e quase parecia não estarmos em Lisboa. Marvila tem o encanto de um bairro onde o ontem, o hoje e o amanhã se encontram em amena convivência. A pulular em acção, a cena gastronómica tem terreno fértil para se desenvolver a grande velocidade por entre a herança dos edifícios e a vontade de fazer bem de gente criativa. No Refeitório do Senhor Abel há livros em estantes, poesia nas paredes e um forno que promete as melhores pizzas. A casa onde funcionaram os antigos armazéns Abel Pereira da Fonseca é agora lar de sabores italianos, cocktails originais e energias literárias sob o olhar atento de um dos maiores poetas portugueses.

Ali ao lado, com uma ligação que dá passagem directa do restaurante, fica o Heterónimo Baar. Homenagem às múltiplas personagens que fazem de Fernando Pessoa o poeta de todas as palavras, neste baar encontra-se um "a" extra para abarcar os heterónimos Bernardo Soares, Álvaro de Campos, Alberto Caeiro e Ricardo Reis. Aqui são os cocktails quem mais manda e não há melhor sítio para começar a pensar no jantar, à boleia de um intemporal Negroni.

Refeitório do Senhor Abel
Refeitório do Senhor Abel

30.4.18

Bacalhau fresco escalfado com cuscuz de favas e pistácios

Bacalhau fresco escalfado com cuscuz de favas e pistácios

Já experimentaram bacalhau fresco? A pergunta em jeito de provocação acompanha o convite para jantar e a resposta não se faz esperar. Ainda que o fiel amigo faça parte da cozinha portuguesa desde sempre, o bacalhau fresco é ainda novo no nosso receituário e suscita muita curiosidade. É à mesa que recebemos os amigos do coração e com eles partilhamos esta novidade. De carne branca e lascas visíveis, a textura e o sabor são muito versáteis e prestam-se a diferentes técnicas de confecção e combinações com outros ingredientes. As novas experiências podem começar!

O desafio para cozinhar bacalhau fresco feito pela Iglo foi aceite sem hesitação. Afinal o best friend forever do bacalhau seco tem argumentos de sobra para fazer parte da nossa mesa e nada como experimentar este peixe numa versão fresca e em receitas distintas. Com os dias primaveris a chegar, as refeições tornam-se mais leves e a cor não pode faltar. É o tempo ideal para saladas coloridas, legumes bonitos e peixe delicado feitos enquanto os convidados bebem um copo e se trocam conversas.

Bacalhau fresco escalfado com cuscuz de favas e pistácios

A tranche de bacalhau fresco Iglo é muito fácil de usar. Trata-se de um filete que pode ser confeccionado de forma tradicional (com farinha e ovo) ou utilizado em cru (em carpaccio, ceviche ou sashimi), à semelhança de outros peixes brancos. Mas a escolha hoje é outra: vamos escalfar o bacalhau fresco. Esta técnica é uma forma simples de cozinhar peixe e é rápida, saborosa e saudável. O segredo é fazer um caldo cheio de sabor, com legumes, especiarias, ervas e um pouco de vinho branco, apagar o lume e deixar o peixe cozer no calor residual. Fica pronto em poucos minutos e nunca falha!

Como acompanhamento, cuscuz: outro ingrediente versátil e que se faz num ápice. O único passo a requerer um pouco mais de empenho são as favas que precisam mesmo de ser descascadas. A promessa de que o prato ficará perfeito é incentivo para a tarefa que se faz sem dificuldade. O prato pode ser servido de duas formas - com o peixe em tranches como está apresentado ou em lascas grandes para tornar ainda mais fácil a partilha. Bom apetite!

Bacalhau fresco escalfado com cuscuz de favas e pistácios Bacalhau fresco escalfado com cuscuz de favas e pistácios

23.4.18

Caçar estrelas no Gourmet Experience Lisboa

Gourmet Experience

São sete andares a pensar no topo. Lá em cima, mais perto do céu e das estrelas, espera por nós o jantar no Gourmet Experience Lisboa. O último piso do El Corte Inglés alberga agora o Club Del Gourmet, dez espaços com produtos escolhidos a dedo e um conjunto de propostas de chefs nacionais e internacionais com conceitos muito distintos. Entre inspirações de longe (que vão do Havai ao México) e mais de perto (com um saltinho à Galiza e ao País Basco), há ainda homenagens sentidas à cozinha portuguesa assinadas por José Avillez e Henrique Sá Pessoa.

Dos terraços já preparados para dias solarengos vê-se a cidade. A vista vem acompanhada da vontade de ficar a olhar o infinito com um copo na mão enquanto não vêm os pratos escolhidos. É que apesar de se poder escolher almoçar ou jantar no espaço de cada um dos restaurantes, também é possível pedir pratos específicos em diferentes conceitos e esperar serenamente que cheguem à mesa no interior ou no exterior. É essa a nossa opção esta noite. Viemos para a experiência total.

Gourmet Experience
Gourmet Experience

Por muito que a noite chame por nós lá fora, seguimos o caminho das bebidas com o primoroso serviço dos Gin Lovers no The G Bar. Cocktails, vinho, cerveja e tudo o que possa brilhar no copo está disponível em permanência. A experiência em torno do gin que chega à mesa é pensada para partilhar mas os verdadeiros apreciadores talvez prefiram embarcar sozinhos na aventura. Aceita uma sangria? Vamos lá começar!

18.4.18

Tosta de salmão fumado e funcho caramelizado

Tosta de salmão fumado e funcho caramelizado

Querida Primavera, obrigada por teres vindo. Talvez tenha sido a vontade de muitos em uníssono que se fez sol e luz e afugentou a chuva. Ou talvez tenha sido obra do acaso e os dias cinzentos estejam aí ao virar da esquina. Pouco importa. Enquanto durar é nossa e vamos celebrar. Mesmo que as horas nos escapem por entre os dedos e não haja tempo para cozinhar, faz-se um assalto às receitas rápidas e nutritivas.

Tostas. Longe da mista de queijo e fiambre que conta a história de tantos cafés, hoje as opções são infindáveis e as combinações (quase) ilimitadas. Para uma boa tosta são 3 os factores a ter em conta: o pão, o queijo (ou substituto que possa ser fundido) e os sabores a combinar. Depois é dar largas à imaginação e ligar o grelhador.

hera
Tosta de salmão fumado e funcho caramelizado

Salmão fumado e funcho caramelizado. Um clássico de ingredientes que ficam bem em conjunto. Para quem procura uma refeição em poucos minutos, a etapa de saltear o funcho pode parecer dispensável. Não é. O segredo desta tosta é o doce e ácido que faz do salmão uma gordura ainda mais deliciosa. E demora literalmente 5 minutos, que valem bem o investimento.

Bem-vinda Primavera!

Tosta de salmão fumado e funcho caramelizado
Tosta de salmão fumado e funcho caramelizado

10.4.18

{ Peixe em Lisboa } Os pratos imperdíveis dos chefs e os Vinhos de Lisboa

Peixe em Lisboa 2018

A cidade que faz do rio o seu mar tem no peixe um dos seus produtos de excepção. Desde sempre parte da identidade gastronómica dos lisboetas, o elogio ao peixe no prato tem o seu tempo de celebração chegado cada mês de Abril com o Peixe em Lisboa. Este ano o evento volta de novo ao Parque Eduardo VII, fazendo do Pavilhão Carlos Lopes a sua casa. É lá, com um cenário de azulejos azuis e brancos a enquadrar, que se fazem debates, showcookings, apresentações de chefs e se cozinha um pouco de tudo dentro do tema.

Com a presença de 10 restaurantes e dos Vinhos de Lisboa esta é uma boa oportunidade para provar os pratos dos chefs e explorar a região de Lisboa a partir dos seus produtores. Dos mais bonitos ao mais surpreendentes, dos viajados aos perfeitos para dias de chuva, passando pelos clássicos, contemporâneos e mais tradicionais ou com sabor a rio, a escolha é muita e estes são (até à data) os nossos preferidos

Peixe em Lisboa 2018