23.5.19

Casa Relvas: vinhos na adega e o almoço na Herdade de São Miguel

Casa Relvas: vinhos na adega e o almoço na Herdade de São Miguel

Pela estrada a fora desenha-se um Alentejo em Primavera plena com períodos de sol e chuva. O caminho há-de conduzir à Casa Relvas cujo coração se situa na adega onde são pensados e desenvolvidos os vinhos, perto de São Miguel de Machede, e a alma se estende até à vizinha Herdade de São Miguel, que guarda o espírito e as raízes da família.

A visita à adega principal dá início a um dia passado entre vinhos e vinhas e muitas conversas. A Casa Relvas é herdeira de uma história escrita na ligação à terra que vê nas novas gerações da família o ensejo de continuar a aventura no mundo dos vinhos que em 1997 se iniciou pela mão de Alexandre Relvas. Entre a zona das talhas, o deambular pelas grandes cubas de inox e a sala das barricas provamos vários vinhos, sempre contextualizados por Alexandre (filho) que, com o seu irmão António, lidera o negócio que é também uma paixão.

Casa Relvas: vinhos na adega e o almoço na Herdade de São Miguel
Casa Relvas: vinhos na adega e o almoço na Herdade de São Miguel
Casa Relvas: vinhos na adega e o almoço na Herdade de São Miguel

O elogio da terra e das gentes está plasmado nas amostras de solo que nos recebem à entrada. É a partir delas que se percebem melhor os vinhos, ainda em processo de desenvolvimento pela equipa de enologia, que provamos com Alexandre Relvas Jr na visita guiada. As castas que caracterizam o perfil dos vinhos da Casa Relvas são fruto do terroir tipicamente alentejano, com mais de três centenas de hectares de vinha em produção integrada, distribuídos por São Miguel de Machede, Redondo e Vidigueira. Dos vinhos mais complexos aos mais simples, da talha ao rosé que chama o Verão, há lugar para todos numa abordagem sempre rigorosa e em harmonia com o meio envolvente.

Com espaço também para vinhos inesperados e que seguem novos perfis de consumo, surge o Madxa (branco e tinto) que é um vinho exclusivamente para exportação. Com o nome a fazer referência à terra fértil de São Miguel de Machede, o branco de 2018 fresco e floral que provámos é resultado dessa visão que assenta numa ideia de celebração da vida. O almoço na Herdade de São Miguel que se seguiu é bem exemplo dessa postura da Casa Relvas e dos seus vinhos.

Casa Relvas: vinhos na adega e o almoço na Herdade de São Miguel

Uma oportunidade única para conhecer melhor o enoturismo da Casa Relvas acontece já dia 25 de Maio com Um dia em São Miguel com a celebração do Alentejo, das petiscadas e da cultura local, que termina com música e um com concerto acústico de Tim, dos Xutos e Pontapés, ao cair da tarde.

9.5.19

{ Viajar no Prato } Do Japão ao Perú na Confraria LX

Confraria LX, Lisboa

Lá longe onde olhar não chega a Oriente, há todo um planeta repleto de mistérios que pede para ser explorado. Pudesse a barriga servir-nos de bússola e havíamos de chegar rapidamente ao Japão, onde a cozinha se faz de múltiplos olhares sobre o peixe e suas variações de sushi e sashimi. O mar que serve de barreira também encurta distância quando permite que as influências naveguem até portos seguros e cheguem ao Perú. De lá para cá, o conceito que cruza estas duas cozinhas traz o nikkei à Confraria LX para quem quiser viajar no prato.

O caminho faz-se rua do Alecrim a baixo com o Tejo no horizonte. Quase ao Cais do Sodré ergue-se o LX Boutique Hotel com entrada virada para a rua que dá acesso à sala do restaurante. Azul e motivos florais recebem que vem comer de pauzinhos em riste ou com dedos gulosos. Mesmo que não se domine a língua ou se desconheça a comida basta olhar para o Omakasse Freestyle (em cima) para perceber que é um prato de celebração. Pensado para ser partilhado, este conjunto de múltiplas peças (sempre em pares) pede um parceiro à altura para dividir rolos de sushi fusão, diferentes peixes em sashimi mas também ceviches e tártaros, a marcar a abordagem nikkei. Esta festa em forma de prato havia de chegar à mesa mais à frente na refeição, depois de saltitarmos entre o Japão e o Perú nas entradas e nos perdermos por lá.

Confraria LX, Lisboa
Confraria LX, Lisboa

Enquanto se decide o que beber, o muito elogiado couvert com palitos de cenoura crua servidos em gelo já faz parte da história do restaurante, desta feita na companhia de Edamame, vagens de soja muito estaladiças. Para início de aventura, Ebi Sipcy, uma tempura de camarão sobre alface com molho picante cheia de sabor. Ainda a lamber os dedos, eis que somos servidos de uns Taquitos de salmão, molho de aji amarillo, guacamole e chips de nori vêm sobre uma cama de folhas verdes e são tão bonitos quanto saborosos.

Com a cultura da mesa peruana a imperar, não se estranha a inclusão na carta de carpaccios, ceviches e tártaros. No capítulo dos primeiros, Usuzukuri de salmão, lima, amor perfeito e molho ponzu trufado a abrir o apetite para o que aí vem. É um prato simples e leve com os sabores escolhidos a equilibrar o salmão muito, muito fino.

Confraria LX, Lisboa
Confraria LX, Lisboa

18.4.19

De Vidigueira a Vila de Frades, entre vinhos e talhas

Vinhos e Talhas em Vidigueira

Faz-se o caminho com o vinho por destino num território em que a paisagem se pinta de vinha a cada nova curva e as gentes fazem da terra sustento e cultura. De visita a Vidigueira, no âmbito do Terras Sem Sombra, as adegas da região marcam presença num festival que é feito de música sacra, património e biodiversidade e onde o nome da terra, que deriva da palavra vidigeria ou videira, indicia desde logo as ligações ancestrais ao mundo do vinho.

Em cada casa uma mesa posta para receber quem chega, com o incontornável pão alentejano e o omnipresente barro que dá corpo aos pratos e tigelas que esperam os petiscos, aos recipientes onde se serve o vinho e às talhas onde este é feito. O processo é parte de uma tradição antiga que configura uma técnica de preservação e feitura do vinho característica da bacia do mediterrâneo, onde a cultura alentejana se desenvolve.

Mas que vinho é esse? E como se moldam as enormes talhas que lhe dão guarida de Setembro a Novembro? Quem cultiva as castas que dão nome à região? Onde provar? E o que comer, à boleia do copo? Em busca de respostas, seguimos de Vidigueira até Vila de Frades.

Vinhos e Talhas em Vidigueira


6.4.19

Como se faz o melhor Pastel de Nata?

Workshop Pastéis de Nata, Pastelaria Batalha

A combinação da massa chocante com o creme sedoso e rico, o queimado do recheio e os aromas de limão e canela, fazem do pastel de nata o doce mais amado da história da pastelaria em Portugal. As variações, ao sabor e mestria do pasteleiro, colocam em cima da mesa um debate delicioso: qual é o melhor Pastel de Nata? No Peixe em Lisboa entrega-se todos os anos o galardão que reconhece os melhores da região de Lisboa num concurso organizado pelo gastrónomo Virgílio Nogueiro Gomes.

De onde vem a receita dos pastéis de nata, ninguém sabe ao certo. A história apresenta referências várias, passeia entre conventos e faz-se de múltiplas receitas onde as natas substituem o leite (e vice-versa) e a canela troca de lugar com a baunilha. Gostos pessoais à parte, não há melhor forma de apreciar na sua totalidade um pastel de nata do que saber como fazê-lo. Foi esse o desafio colocado pelo chef pasteleiro João Batalha que orientou o workshop e respondeu a todas as questões sobre ingredientes, processos, técnicas e tempos na cozinha da Pastelaria Batalha no Chiado.

Workshop Pastéis de Nata, Pastelaria Batalha
Workshop Pastéis de Nata, Pastelaria Batalha

Como se faz a massa que depois se abre em mil folhas quando cozinhada? E qual o segredo do creme? Como se forram as formas? E o pastel de nata come-se quente ou não? Perguntas aos molhos numa tarde doce em que metemos a mão na massa (e no creme)!

2.4.19

Torta de amêndoa e limão (com doce de framboesa)

Torta de amêndoa e limão (com doce de framboesa)

Os meses mais escuros e cinzentos parecem ter ficado para trás e uma esperança maior nos dias vindouros desperta devagarinho. O conforto de saber que as estações se sucedem é garantia que os adorados ingredientes estarão em breve disponíveis e a ansiedade é grande. Falta apenas um pouco mas ainda não é tempo de encontrar no mercado o colorido saboroso dos vegetais e frutos que trazem a Primavera.

Em momentos de saudade sem fim é preciso encontrar refúgio nos frascos que guardam, intacto, o aroma da fruta madura. Para a sobremesa, um bolo fácil e que faz sempre furor: uma torta na mesa traz sempre sorrisos em forma de aprovação, com secreta inveja pela destreza de quem enrola em forma de gula o final da refeição. Para os gulosos, a colher extra de doce é felicidade portátil e única companhia necessária a uma chávena de café.

Torta de amêndoa e limão (com doce de framboesa)

De amêndoa e limão, a combinação ganhadora sai directamente dos citrinos da estação passada e da dispensa e transforma-se em torta recheada com doce de framboesa. Esta receita é também uma boa escolha para usar claras que sobram e confeccionar rapidamente a sobremesa de um almoço preguiçoso. O recheio serve a vontade de quem decide qual o fruto da época que se quer trazer a esta combinação. A escolha foi o doce de framboesa da Quinta de Jugais que faz boa companhia ao limão e amêndoa do bolo e dá cor ao conjunto. É que os olhos comem antes da barriga!

Panaceia para saudades do tempo quente e o desejo que chegue rápido o próximo fim-de-semana, eis a torta perfeita.

Torta de amêndoa e limão (com doce de framboesa)
Torta de amêndoa e limão (com doce de framboesa)

25.3.19

{ Atelier Nespresso } Beber o mundo numa chávena de café com o chef Kiko Martins

Atelier Nespresso, Chef Kiko Martins

Percorre-se o planeta, de país em país, em busca de novas visões dos sabores e aromas que povoam o prato. Como na comida, também o café tem no lugar e nas pessoas que o produzem a sua essência. Depois, é quem o bebe que escreve novo capítulo na historia desta viagem. À boleia de chávenas deste precioso líquido, cabe ao chef Kiko Martins abrir as portas de mais um Atelier Nespresso e levar-nos a beber o mundo.

Da Indonésia à Índia, com passagem pela Colômbia, um saltinho à Nicarágua e uma visita à Etiópia, os cafés master origin oferecem entre si tantas diferenças como o solo, os métodos e a história que contam de cada vez que chegam à nossa chávena. A viagem dos sentidos é igualmente um périplo pela geografia de um produto que cresce apenas na pequena faixa em torno da linha do equador que divide o hemisfério norte do hemisfério sul mas atravessa múltiplos continentes.

Atelier Nespresso, Chef Kiko Martins
Atelier Nespresso, Chef Kiko Martins

7.3.19

{ Ingrediente Secreto } Fregola com legumes assados e atum

Fregola com legumes assados e atum

Fruto do acesso mais fácil a outras cozinhas e outros pratos, descobrir novos sabores, novas texturas ou novas combinações é cada vez menos comum. E de repente há algo diferente que se cruza no dia-a-dia previsível e adiciona graça à mesa. Fica contente a cozinheira que mal pode esperar para experimentar o ingrediente descoberto e alargar as suas utilizações e satisfeitos os comensais que, curiosos, querem saber tudo sobre as bolinhas imperfeitas que lhes chegam ao prato. Venham daí conhecer a fregola!

A fregola é uma pasta proveniente da Sardenha que é feita com semolina e água. A sua textura é diferente do cuscuz devido ao seu tamanho e, como é torrada, possui um sabor pronunciado de frutos secos. Utiliza-se em receitas mais tradicionais de massa mas também em saladas ou sopas, como acompanhamento ou como ingrediente principal.

Fregola com legumes assados e atum
Fregola com legumes assados e atum

A paleta de sabores desta receita é muito "italiana", com o manjericão e o vinagre balsâmico a dar o mote, mas é a passagem do tomate-cereja, da curgete e da cebola pelo forno que confere mais sabor ao conjunto. O processo torna também muito fácil finalizar o prato e servir com rapidez e pouco esforço. Como sempre, a qualidade dos legumes usados e do atum escolhido é essencial para o resultado final.

Porque é importante manter a curiosidade sobre o que comemos, experimentar ingredientes menos usuais permite muitas vezes encontrar soluções simples e deliciosas para refeições rápidas durante a semana. A fregola é um desses ingredientes secretos. Não deixem de provar!

Fregola com legumes assados e atum
Fregola com legumes assados e atum